Como tratar enurese e encoprese

Este post foi um dos grandes sucessos do meu blog A Vida Quer por muitos anos e diariamente ainda temos muitas visitas por lá, por isso estou republicando aqui, neste espaço que atende mais as famílias com crianças pequenas. 

Os termos enurese e encoprese não muito conhecidos, mas a dificuldade de controlar o xixi e o cocô nas crianças que já tiraram as fraldas é um drama que várias famílias passam.

Algumas histórias são como as da leitora Luciana, que contou que o filho de três anos e meio tem feito cocô na roupa e ela, por já ter tentado resolver a situação de várias formas, chegou a apelar para  a violência física, surrando-o para ele entender que não pode repetir a atitude equivocada.

Infelizmente a atitude da mãe deve piorar o quadro. Isso porque este descontrole dos esfincteres (os músculos que controlam o ânus e nos permitem segurar as fezes até o local e momento adequado) pode ser sinal de que a criança está se sentindo insegura. O controle das fezes acontece normalmente entre 18 e 36 meses (1 ano e meio a 3 anos) e somente a partir desta idade é que os pais devem se preocupar com as eventuais falhas da criança.

E vale reiterar que “o diagnóstico da encoprese só é dado a crianças com mais de quatro anos de idade, que apresentam esse comportamento pelo menos uma vez por mês, por no mínimo três meses”.

Quando crianças acima dos 4 anos têm este comportamento, os pais devem pedir ao pediatra que avalie o caso para verificar se não tem razões orgânicas, medicamentosas ou alimentares. Excluídos estes motivos, é importante buscar acompanhamento de um especialista para entender o que pode estar fazendo a criança agir deste modo.

 

Minha filha teve este piniquinho e foi ótimo, coloquei-no no meu banheiro e ela foi relacionando o mini vaso sanitário com o de verdade.

 

Uma pausa nas questões formais para contar uma experiência minha como mãe: eu noto que os meninos têm mais dificuldade de usar o banheiro para fazer o número 2 do que as meninas e depois que tive minha filha eu criei uma teoria sobre o assunto. As meninas têm mais “intimidade” com o vaso sanitário do que os meninos. O motivo? Para fazer xixi elas sentam! Os garotos, como fazem xixi de pé (e no desfralde, muitos ainda fazem aquela coisa de deixar fazer xixi na grama, no banho, em qualquer lugar), então para eles ficar sentadinho lá, esperando o intestino funcionar, pode ser menos natural.  

 

Agredir ou ameaçar a criança só vai causar um efeito contrário, porque, segundo especialistas, a encoprese (relacionada à constipação – o intestino preso -, impactação e retenção de fezes) em crianças escolares e pré-escolares pode se desenvolver por razões psicológicas, como a ansiedade diante da possibilidade de defecar em local inadequado (escola, ônibus, festa, etc) ou à um padrão de comportamento de oposição, uma forma de manifestar seus sentimentos (ou de escondê-los), mas acima de tudo como pais esclarecidos que somos devemos ver nos comportamentos equivocados dos filhos um pedido de socorro.

Algo não vai bem e a criança nem sempre consegue explicar em palavras, por isso demonstra sua infelicidade, insatisfação, tristeza por meio de atitudes.

Tanto no caso da enucoprese quanto da enurese, temas relativamente comuns nas perguntas no site, sugiro aos pais que, após descartarem motivos orgânicos acompanhando o caso com o pediatra, considerem a possibilidade de buscar ajuda de um psicólogo que poderá ajudar a família (inteira, não só a criança) a sentir-se segura, capaz e amada de modo que as motivações sejam reduzidas e a criança possa se desenvolver em sua plenitude.

Você sabia que o xixi na cama afeta até 15% das crianças com mais de 5 anos de idade?

No ano passado, estivemos numa verdadeira aula de pediatria para leigos com a querida Dra. Ana Escobar (sim, aquela médica do programa Bem-Estar):

Dicas da Dra Ana Escobar no dia mundial sem xixi na cama

Aprendemos muito sobre a Enurese Noturna, o nome técnico do xixi na cama, desde como diagnosticar até os tratamentos mais indicados para cada situação.

Visualizar esta foto no Instagram.

Hoje eu (@samegui) e @alinekelly temos um compromisso valioso: um papo sobre #xixinacama com @draanaescobar! Você sabia que o #xixinacama afeta até 15% das crianças com mais de 5 anos de idade? E que, praticar o bullying com a criança não ajuda e ainda pode piorar sensivelmente a situação? Para falar sobre a #EnureseNoturna, te convidamos para um bate-papo com a Dra. Ana Escobar (Médica Consultora do Programa Bem-Estar). Durante o evento, especialista irá apresentar todas as vertentes da Enurese Noturna, o conhecido xixi na cama, desde como diagnosticar até os tratamentos mais indicados para cada situação. Vale reforçar: ➡️A enurese noturna não é culpa da criança, nem da família ➡️Não é preguiça. Pode ser um transtorno neurológico ➡️O xixi na cama pode e deve ser tratado ➡️Leve o assunto até o médico para obter ajuda 😉 😘 #maecomfilhos #mãesreais #momblogger #mãescristãs #mãedeadolescente #mãedemenina #mãedemeninos #attatchmentparenting #criacaocomapego #brincadeira #maede3 #abracosquecuram #encontrosquetranaformam #colunistasmaecomfilhos #forçameninas #maeefilha #maedemenina #eumederretomuito #semxixinacama

Uma publicação compartilhada por Blog @maecomfilhos (@maecomfilhos) em

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *