Asma é igual a bronquite?

Eu tinha uma superstição (sei que não devemos ter esse tipo de coisa, mas mãe é assim, vai se agarrando na rotina e fazendo dela uma amiga!) de que quando eu viajava com toda medicação dos filhos, eles não adoeciam. (risos) Isso porque bastava eu esquecer uma coisa tipo “pomada de alergia de insetos” ou “remédio para febre” e pronto, um dos três passava mal e dá-lhe sair fora de hora para buscar uma farmácia!

Bom, neste Natal não deu certo. Chegamos nos meus pais três dias antes do Natal, estava tudo joia, mas no jantar festivo, bastou sentarmos para comer que a pequena teve uma super crise de tosse – motivada pelo excesso de brincadeira com os primos 🙂 – e eu tive que usar a bombinha da asma.

Para minha sorte – afinal, Deus é bom o tempo todo <3 – quem estava sentado exatamente na minha frente na mesa da família era meu cunhado que é pneumologista, e minha irmã, que é médica (cardiologista) e mãe. Na hora eles me ajudaram e em poucos minutos estávamos jantando com tranqüilidade.

Mas a cena fez o restante da familia entender, finalmente, que asma e bronquite são coisas distintas.

(e isso é bom, pois agora entendem muitos dos meus cuidados com a filha)

A asma é definida como uma obstrução brônquica, geralmente ocasionada por um processo alérgico, que leva à inflamação dos brônquios, provocando falta de ar, sibilância, tosse, dor no peito e opressão torácica.

As crianças são as que mais sofrem com a doença.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que, atualmente, existem 235 milhões de pessoas com asma no mundo. No Brasil, a doença atinge cerca de 20% das crianças e adolescentes.

A asma pode ser alérgica e não alérgica.

A mais comum e que atinge principalmente as crianças é a asma alérgica, desencadeada pelos alérgenos inalantes como poeira, ácaros, fungos e pólen.

O Dr. Flávio Sano, presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), conta que a asma não alérgica é mais comum no adulto e a principal representante é a chamada asma eosinofílica não alérgica.

Os dois tipos de asma têm tratamentos muito eficientes.
Existe o tratamento sintomático ou de resgate, quando são utilizados os broncodilatadores. Para o tratamento de controle ou anti-inflamatório, as principais medicações são os corticoides inalados isolados ou associados a broncodilatadores de longa duração e ainda os antileucotrienos. Quando o controle não é obtido com estas drogas, geralmente é necessária a utilização dos corticoides orais. Entretanto, devido aos efeitos indesejáveis, esta classe terapêutica deve ser evitada.

Hoje, existem inúmeros tratamentos acessíveis, inclusive no SUS, e que trazem uma grande melhoria na qualidade de vida do paciente.

Nossa experiência no SUS

Minha filha teve o diagnóstico preciso quando passou a ser acompanhada justamente por uma pediatra do SUS. Tenho uma dívida de gratidão com a Dra Simone, da AMA Água Rasa, pois ela é que fez o acompanhamento devido, recomendou tratamentos (para melhorar a imunidade dela e assim reduzir o risco de crises que chegassem a pior o quadro respiratório) e nos indicou (praticamente mandou) buscar num pneumopediatra um diagnóstico preciso. Ainda não temos uma definição de que o quadro dela seja crônico, mas sendo ou não, temos sido super bem atendidos no SUS, que considera asma uma doença prioritária e fornece todos medicamentos gratuitamente. 

Os remédios para o tratamento da asma são distribuídos gratuitamente pelo Governo. Muitos pacientes, no entanto, não fazem o tratamento correto. Para retirar os remédios, são necessários RG, CPF e receita médica com nome endereço do paciente. Saiba mais aqui.

Na rede pública ou privada, o importante é fazer o diagnóstico correto, procurar o médico, seja alergista, pediatra ou pneumologista, para que ele defina a melhor linha de tratamento a seguir.

O pediatra e o clínico geral podem tratar os quadros mais leves de asma. Porém, os mais graves devem contar com o acompanhamento de um especialista em alergia ou pneumologia, que podem indicar o tratamento com imunobiológicos.

😉

Quando a mamãe precisa de inalação…

O que é bronquite?

Os sintomas da asma descritos acima são muitas vezes confundidos com os da bronquite, que também é uma inflamação, mas que geralmente está associada a um processo infeccioso, viral ou bacteriano.

A bronquite aguda é causada por infecção viral ou bacteriana, com duração de apenas alguns dias. Já a bronquite crônica é provocada pela exposição prolongada ao cigarro ou outros irritantes inalados. Nesse último caso, as células do pulmão são progressivamente danificadas dando origem ao quadro de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Quando a gripe traz bronquite…

Com informações da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, entidade sem finalidade lucrativa, de caráter científico, cuja missão é promover a educação médica continuada e a difusão de conhecimentos na área de Alergia e Imunologia, fortalecer o exercício profissional com excelência da especialidade de Alergia e Imunologia nas esferas pública e privada e divulgar para a sociedade a importância da prevenção e tratamento de doenças alérgicas e imunodeficiências. Atualmente, a ASBAI tem representações regionais em 21 estados brasileiros.

Quer saber sobre asma em adultos ou idosos? Siga a fanpage deles:

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *