Sobre Pães e o Tempo

Desde que comecei a divulgar meu interesse pela panificação, minhas amigas sempre me enviam textos, divulgação de cursos, enviam e pedem receitas, tiram dúvidas e, claro, fazem convites especiais como o que recebi  e fiz questão de aceitar, para conhecer e degustar um delicioso brunch na Casa Levi, lá Mooca. (Gratidão Sam, foi muito especial!)

Estivemos eu, a Sam e a Manu, por algumas horas, degustando delícias, inebridas pelo aroma, vivendo o clima do lugar e conversando. Em certa altura do evento, o Chef Walter Ramos parou ao nosso lado com um delicioso pão de cabotiá e lá vamos nós saber mais deste lugar, daquela receita.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Se tem pão… hoje eu passei uma deliciosa manhã #maecomfilhos junto com a @samegui e a Manu, degustando as delícias da @casaleviartesanal, um cantinho super aconchegante e charmoso lá na Mooca. Além de pães muito saborosos, tbm me alimentei de uma de uma conversa muito rica sobre #pães e #devaneiosdeforno com o Chef e proprietários Walter Ramos, em que ele nos contou sua trajetória com o levain, trocamos figurinhas sobre o tempo e o cuidado, tudo isso em meio a cheiros e sabores e cores que certamente me farão atravessar a cidade em breve carregando minha família comigo. Se vc for praqueles lados atrás de um café coado direto na xícara, não deixe de experimentar o pão de cabotia, e todo resto na verdade, eu ficaria lá a semana toda se me convidassem 😋😋😋 #devaneiosdeforno #maecomfilhos 📷 Catharina Castro e Sam Shiraishi

Uma publicação compartilhada por Nivia Gonçalves (@devaneios_de_forno) em

Aproveitamos, eu e a Sam, para contar a ele sobre o meu projeto “Devaneios de Forno”, em que eu me reúno com outras pessoas, maioria mulheres mães, para sovar pão e refletir sobre nossos processos de conflito, angústia e transformação. Fazer pão é um processo que requer cuidado, paciência e respeito para que se consiga chegar no produto final que é o pão fofo, macio, sendo uma metáfora poderosa para se pensar nos nossos processos de crescimento ao longo da vida. Como cada parte de nós precisa ser reintegrada à nossa “massa” depois de cada momento difícil, de como os momentos duros nos transformam em pessoas melhores depois e do quanto às vezes nos atrapalhamos com o tempo, somos invadidos pela ansiedade de nos livrarmos logo daquela angústia, o que faz com que ela pareça muito maior e completamente sem fim.

Oficina Terapêutica de Pães

Aí o Walter começou a nos contar sobre sua trajetória com o levain. Ele disse que assistia e lia todos os chefs renomados, olhava, pesquisava todas as receitas, testava, testava, testava, sempre sem sucesso, até que um dia alguém sugeriu que ele deveria criar o próprio levan.

Ele nos perguntou se a gente se lembrava do Tamagotchi, aquele bichinho virtual que virou febre na década de 90. Disse que o levain é como aquele bichinho, que precisa alimentar, cuidar, dedicar, senão ele morre. E ele cresce no tempo dele, então é preciso observar e respeitar este tempo.

Para meus ouvidos de psicóloga, foi como ouvir o testemunho de um lindo processo terapêutico. Fiquei com a sensação de que o levain é a metáfora perfeita para um processo de autoconhecimento. Porque é bem assim, é necessário coragem pra começar, mergulhar dentro de si é um caminho um tanto árduo. Tem chances grandes de encontrar caminhos tortuosos que levem a lugar algum. É preciso perseverança pra resistir ao desânimo. É preciso persistência, tentar e tentar, aprender com as etapas e seguir construindo as novas etapas, quantas vezes for  necessário até que se pegue o jeito. É preciso paciência, muita paciência, porque tempo interno é algo muito singular e de difícil mensuração. E é preciso calor, colo, pausa, porque num processo tão precioso, a frustração pode ser uma fiel companheira. A parte incrível disso tudo é que, o que se constrói neste processo, carrega-se para todos os novos desafios.

Assim como o Walter e seu levain. O que chamou muito a minha atenção na nossa conversa foi ele contar que partiu em busca da própria receita, como quando uma pessoa decide que precisa mudar a vida, que precisa construir outra forma de ser e estar no mundo, que do jeito que está não é bacana, mas que as fórmulas vindas de fora até fazem algum sentido, mas não necessariamente funcionam.

Depois que o Walter encontrou o seu jeito, construiu o seu fermento, uma linha inteira de coisas deliciosas foram criadas e a gente fica até confusa na hora de escolher qual gostou mais, o que a gente leva pra casa. Ele não nos contou, mas eu arrisco-me a dizer que ele vive fazendo novos testes, buscando novos ingredientes e sabores e, mesmo que alguns destes testes dêem errado e o dia seja um fiasco, estou certa de que ele até  vai dormir cansado e frustrado, mas segue confiante de que no dia seguinte tudo pode dar certo.

Quando mergulhamos dentro de nós mesmos e construímos essa autoconfiança, mesmo numa noite muito escura reina a certeza de que o sol sempre nasce, mesmo que não se possa ver.

Eu nunca me arrisquei nos caminhos da fermentação natural, só nos caminhos do autoconhecimento e nos processos psicoterapêuticos. Creio mesmo que neste momento da minha vida meu “Tamagotchi” sobreviveria muito pouco (risos). O fermento que mora em mim anda crescendo em outras “praças”, então meus pães, por hora, continuarão sendo feitos com aquele fermento comprado mesmo.

E quando bater a vontade de degustar um produto gostoso, feito com a dedicação que a gente vê e lambe os dedos, eu vou lá na Casa Levi provar os pães do Walter, junto com café coado na própria xícara (adorei), enquanto aproveito a simpatia do pessoal da Casa, o clima intimista e gostoso e, quem sabe, se o Chef estiver “de boas”, ainda aproveito para trocar umas figurinhas.

Quer saber onde fica esse lugar delicioso? Fica aqui, ó:

  • Casa Levi – Padaria Artesanal
  • Endereço: Rua Bixira, 138 – Mooca, São Paulo – SP,
  • Telefone: 2084-0894
  • Capacidade: 24 lugares
  • Horário de funcionamento: de terça a sexta, das 07h30 às 19h, sábados das 09h00 às 19h e aos domingos e feriados das 09h às 12h. Não abre às segundas.
  • Aceita cartões de débito e crédito
  • Aceita encomendas com 24h de antecedência
  • Possui wi-fi.

 

Quer entender melhor esse devaneio? Convide-me pro café com pão, eu vou adorar!

The following two tabs change content below.
Nivia Gonçalves Masutti, Psicóloga, Psicoterapeuta Existencial, com experiência em Saúde Pública e Saúde Mental e em Recursos Humanos. Deixou o serviço público e mais tarde, a vida corporativa, ao perceber que, mesmo sendo apaixonada pela correria do trabalho, a maternidade é a sua melhor parte. Mãe de primeira e de segunda viagem, da Luiza e do Guilherme, depois de muitas rupturas e recomeços, encontrou na Psicologia da maternidade, um jeito novo de conciliar as coisas que mais ama: a Psicologia e os filhos. Apaixonada pelos processos de crescimento e transformação do ser humano e pela força dos grupos, atua hoje com atendimentos clínicos individuais, coordena um grupo de pós parto, o Grupo de "Powerpério", na Lumos Cultural, e ainda encontra energia para juntar na sua prática profissional outra paixão: fazer pães, usando o processo de fabricação dos mesmos como metáfora para explicar os caminhos de transformação pessoal.

Latest posts by Nivia Gonçalves (see all)

Comments

comments

One Reply to “Sobre Pães e o Tempo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *