Li e recomendo: Abrace seu filho, do @paizinhovirgula

Criação com apego é um conceito novo até para as mães, que dirá para os pais. Agora pensa num pai engenheiro, com aquela aparência “ogro” e que cresceu num lar meio disfuncional. Coloque aí dois filhos meninos, ou seja, três homens se acertando afetivamente…

Parece uma utopia imaginar que isso daria uma bossa, né? Tá mais para heavy metal?

Ter filhos é isso: momentos de bossa nova, outros de rock’n roll da pesada, samba e valsas.

Abrace seu filho, livro do Thiago Queiroz, o famoso Paizinho, vírgula!, traz isso e muito mais num texto leve, gostoso, que parece uma boa conversa.

Conheci Thiago por conta do StreamTeam, o grupo de influenciadores da Netflix Brasil. Não vou dizer que tivemos altos papos porque é mentira: ele é um tanto reservado e eu também. Mas os amigos queridos em comum – paizões como Hilan Potencial Gestante e Rafa do Família Palmito – me deram uma visão bem simpática dele.

Mas ao abrir o livro, percebi que a gente não sabe nada das pessoas, muito menos das dores e desafios do dia a dia.

View this post on Instagram

Recebi hoje esse presente incrível, o livro Abrace seu filho, do Thiago Queiroz, aka @paizinhovirgulaoficial. A editora #belasletras fez um trabalho bonito e descolado, mas o conteúdo é doce como mel. Em poucas páginas, escorriam lágrimas dos meus olhos de manteiga derretida. E até quem é mais forte se derreterá. Mas tudo bem, afinal, como diz Thiago, “todas as vezes que você abraça seu filho, você se cura um pouco. Todas as vezes que você abraça seu filho, você é abraçado de volta”. 💕 Nossa cura (pra quase tudo) está ao alcance das mãos, dos braços e dos beijos. Não perca nenhuma chance, faça como nós, famílias que escolhem a #criacaocomapego: #coloemlivredemanda e #carinhosemfim. Depois que eu terminar a leitura, conto mais num #postnoblog. (por @samegui 👩‍👦‍👦mãe dos nerds #aos18 e #aos15👩‍👧e da pequena #aos5) 😘 #maecomfilhos #mãesreais #momblogger #colunistasmaecomfilhos #mãescristãs #maesepaiscomfilhos #mãedeadolescente #mãedemenina #mãedemeninos #attatchmentparenting #maede3 #abracosquecuram #encontrosquetransformam #forçameninas #maeefilha #maedemenina

A post shared by Blog @maecomfilhos (@maecomfilhos) on

De cara, descobri que Thiago, que apregoa a criação com apego (a mesma que eu pratico e defendo, que fez TODA diferença na vida dos meus meninos, um deles já homem feito e barbudo, ele mesmo a caminho de ser um engenheiro!), cresceu com pouco convívio com o pai. E ele conta sem meias palavras que ao receber a notícia da gravidez da esposa, precisou encarar o medo e construir a sua paternidade sem ter tido uma referência dessa figura em sua vida.

O blog Paizinho, vírgula!, de onde saíram os textos e ideias para este livro e para um trabalho bonito que ele faz num grupo de apoio e acolhimento a outros pais, foi sua forma de virar o jogo e ser diferente.

Preciso admitir: para mim e pro Gui, meu esposo, não tem nada novo no livro, mas é uma visão objetiva e simplificada de muitos valores que advogamos e da nossa prática de vida. 

Colo em livre demanda

 

Em poucas semanas, virou um daqueles ícones que a gente quer indicar para amigos, sabem? Já sugeri com ênfase para muitos novos pais comprarem e estou colocando na minha lista de presentes para o final de ano!

Com textos curtos, geralmente relatando fatos do dia a dia da família de Thiago, carioca que mora na Zona Sul com a esposa, artista plástica, e os dois filhos que estão na primeira infância, Abrace seu filho traz também histórias de outros pais e mães que contaram suas vivências para o autor ao longo dos encontros que ele faz em seu grupo de apoio e nos workshops que ministra pelo Brasil.

São casos reais que mostram como é possível repensar a forma de enxergar a criação dos filhos. 

O autor revela como ele tem feito para construir uma relação baseada na “criação com apego” e estabelecimento de vínculos. “O vínculo é uma cola invisível que une todas as pessoas que possuem alguma relação entre si, mas, antes de ter filhos, eu sempre achei que isso era algo com o que ninguém precisava se preocupar, e que pais e filhos teriam vínculos entre si pelo simples fato de serem pais e filhos”, conta.

Uma frase dele que eu amei foi:

“todas as vezes que você abraça seu filho, você se cura um pouco. Todas as vezes que você abraça seu filho, você é abraçado de volta”.

E a outra eu até postei no instagram numa manhã em que lia o livro:

“Chorar faz bem, nas chorar sozinho e desconsolado não faz bem”…. a ninguém!
Para mim, pra você e, claro, para nossos pequenos, “chorar é um pedido de socorro, é uma necessidade”.

O trecho do livro do Thiago me lembrou uma conversa que tive com uma amiga querida que tem o bebê mais sorridente do mundo, mas que às vezes, cansa e chora.

As pessoas ao redor não entendem, chovem palpites, mas só a mãe (e com sorte o pai!) entende que o pecorrucho precisa de um abraço, acolhimento e segurança para encontrar o “eixo” e voltar ao normal. Às vezes demora, às vezes é rápido, mas nestes 18 anos como mãe e na experiência com meus três filhos nunca vi abraço sem perguntas, só acolhendo e amando, não dar certo! Santo remédio!

Por aqui, até quando parece birra (lembram da crise da #aos5 outro dia?) eu abraço e acolho, depois penso no que falar ou fazer.

Os pais também precisam de abraços que curam depois de uma crise de birra

Para muita gente, em especial os homens, os filhos é que ensinam a dar afeto físico sem esperar nada em troca.  É como Thiago diz em certo trecho:

“Foi com os meus filhos que eu notei a necessidade do toque afetivo e de como ele fortalecia meu vínculo com eles.”

Ao longo da obra, outras questões de criação também vêm à tona: como lidar com choro, sono, cobranças sociais, o que é a disciplina positiva, a importância do diálogo, de ouvir, de falar sobre sentimentos e acolher os sentimentos dos filhos.

“Uma das maneiras mais poderosas de construir vínculo é através da empatia, quando nos colocamos no lugar dos nossos filhos e tentamos entender melhor o mundo deles, suas necessidades e sentimentos.”

O livro debate sobre castigos, punições, palmadas, recompensas – táticas muito difundidas, mas que com o tempo a gente, que opta pela criação com apego, descobre que sao desnecessárias e inúteis.

🙂

Ah, talvez voce tenha visto ele na TV, pois ele esteve no Programa da Fátima.

E não é que eu fui no programa da @fatimabernardes falar do meu livro? 💕 Que mulher incrível, gente!

Uma publicação compartilhada por Paizinho, Vírgula! (@paizinhovirgulaoficial) em

Gostou? O livro já está nas livrarias e neste sábado tem tarde de autógrafos na Livraria da Vila, em São Paulo.

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *