Adultos também precisam reforçar a vacina contra sarampo

Na semana passada, eu e meu marido tivemos que tomar vacina de sarampo.

Levamos a pequena no AMA/UBS e a responsável da área de vacinas nos informou que adultos devem reforçar a imunização porque a gente não tem mais carteirinha de vacina, não se sabe com precisão quais tomamos ou se tomamos né?

Pra quê correr risco? Se você não tem certeza se está com tudo em dia, passe num posto de saúde e reforce a dose.

Meu esposo acabou tomando também outras vacinas, a dupla adulto, hepatite B e tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola).

“A gente tem que ter a pro-atividade de se vacinar e não é só a criança. Precisamos entender definitivamente que se não vacinarmos os adultos, essas doenças erradicadas vão voltar ao nosso país.”

A orientação do Ministério da Saúde é a seguinte:

  • pessoas com até 29 anos devem tomar duas doses;
  • de 30 a 49 anos, uma dose basta;
  • quem tem mais de 50 não precisa se vacinar porque provavelmente já teve contato com a doença.

Neste ano, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo será realizada entre 6 e 31 de agosto de 2018, sendo o dia 18 de agosto o dia de mobilização nacional – o ‘Dia D’. Nesta semana as crianças devem ser levadas aos serviços de saúde mesmo que tenham sido vacinadas anteriormente.

As vacinas estão disponíveis nas mais de 36 mil salas de vacinação do país de acordo com as indicações do Calendário Nacional de Vacinação.

(mensagem que está circulando no WhatsApp e dessa vez a corrente é importante)

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Mundial da Saúde o certificado de eliminação da circulação do vírus e não quer perder esse título.

“É importante que fique claro que mesmo com a doença eliminada, ela ainda acontece em outras regiões. Por isso há necessidade que todo mundo seja vacinado, de acordo com as recomendações do calendário nacional de vacinação”, afirmou Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações – MIS.

Veja os tipos disponíveis na rede pública e em clínicas particulares e atualize sua carteirinha – mesmo se você já passou (mesmo que muito) dos 18 anos.

Rede pública

  • Sarampo, caxumba e rubéola: esqueceu se já apresentou essas doenças? Então, proteja-se. Nos últimos anos, tem havido surtos na Europa e no Norte do Brasil, em especial de sarampo. A tríplice viral é aplicada em duas doses até os 29 anos e, depois, em dose única até os 49.
  • Difteria e tétano (dT): ainda há casos esporádicos de difteria no Norte e no Nordeste. Deve ser repetida a cada dez anos.
  • Hepatite B: transmitida sexualmente e pelo contato com sangue contaminado, pode levar ao câncer. É aplicada em três doses, inclusive em adultos e idosos.
  • Febre amarela: houve 1 127 casos e 328 mortes de julho de 2017 a 3 de abril de 2018. A vacinação está sendo realizada em todo o país.

Clínica particular

  • Gripe: imuniza contra três cepas do vírus influenza que estão circulando por aqui. Deve ser repetida anualmente. Preço médio: 120 reais.
  • HPV: mesmo se você já teve contato com o vírus, ajuda a evitar uma reinfecção. Em três doses. Preço médio: 390 reais (quadrivalente, por dose).
  • Catapora: quem não teve deve se imunizar. Pode ser grave em adultos. Fornecida em duas doses. Preço médio: 150 reais (cada uma).
  • Hepatite A: aconteceram surtos no Rio, São Paulo e Portugal. São duas doses. Preço médio: 160 reais (cada uma).

Especificamente sobre o sarampo…

Trata-se de uma infecção viral que é grave para crianças pequenas, mas de fácil prevenção por meio de vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola.

A doença se espalha pelo ar por gotículas respiratórias produzidas ao tossir ou espirrar. A propagação passa sim por adultos, por isso não custa nada (mesmo, pois tem na rede pública de saúde) evitar pegar e contagiar famílias inteiras.
Como é a propagação do sarampo:
  • De mãe para bebê durante a gravidez, parto ou amamentação.
  • Por gotículas respiratórias no ar (tosse ou espirro).
  • Por saliva (beijos ou bebidas compartilhadas).
  • Por contato com a pele (apertos de mão ou abraços).
  • Por toque em uma superfície contaminada (cobertor ou maçaneta).
Como identificar o sarampo?
Os sintomas do sarampo aparecem apenas de 10 a 14 dias após a exposição. Eles incluem tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas.
Como é o tratamento do sarampo?
Não há tratamento para se livrar de uma infecção de sarampo estabelecida, mas antitérmicos vendidos sem prescrição médica ou vitamina A podem aliviar os sintomas.  A vitamina ajuda a promover as funções, o crescimento e o desenvolvimento normais do corpo. E o analgésico alivia a dor e controla a febre, que é a reação do organismo ao estado de saúde alterado.

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *