Livro infantil sobre a Copa do Mundo

Não sei bem se é porque a última Copa do Mundo foi no Brasil ou se é reflexo da crise econômica ou do momento político, mas o fato é que este ano todos os preparativos estão fracos, né, gente?

Aqui em Sampa poucas ruas estão enfeitadas de verde e amarelo, uma tradicão que sempre me encantou na cidade onde já passei 3 copas.  E já que o livro que eu indico hoje tem um Gabriel e Copa do Mundo, há uma Copa era o menino Gabriel Jesus quem pintava as ruas. Gosto dele, acho a propaganda dele ligando para a mãe uma graça e é um dos ídolos do esporte que espero que prosperem para incentivar crianças num bom caminho.

 

Aos poucos estamos pensando em animar a torcida e uma das coisas que fiz foi mandar para a escola da caçula um dos livros infantis que temos do assunto: Gabriel e a copa do mundo de 2014, de Ilan Brenman com ilustrações de Silvana Rando, a vencedora do prêmio Jabuti 2011.

Uma coisa boa destes grandes eventos é descobrir novos mundos, conhecer, valorizar e divulgar as diversas culturas. Convidar as crianças a conhecer danças, músicas, comidas, crenças e roupas tradicionais de cada país. E por aí vai!

A ideia do autor, que continua aqui as aventuras dos irmãos Gabriel e Clara, era uma breve viagem pelas cidades-sede da Copa do Brasil e todas as vezes que lemos Manu quis saber mais do local, algumas vezes olhamos o mapa (ela tem um grande mapa ao lado da cama), em outras vimos fotos de viagens que fizemos, falamos de comidas locais e coisas assim. Aliás, para mim a Copa do Mundo sempre teve este sabor: a da Espanha é a primeira que tive alguma consciência e descobri vários locais, nomes, comidas, roupas típicas e idiomas.

A da Rússia pode ser uma ótima oportunidade também, pois é um país diferente e que tem uma cultura a ser redescoberta. Para nós tem um plus: a família do lado do pai da minha mãe é alemã, mas veio da Rússia para o Brasil, portanto temos um pézinho lá.

Mas voltando ao livro: indico para a faixa etária entre 2 e 8 anos. As crianças pequenas curtem a leitura mediada por adultos, as em idade de letramento podem gostar das rimas e as maiores podem reforçar a leitura sem ajuda, pois os textos são curtos.

Serviço:

  • Título: Gabriel e a Copa do Mundo 2014
  • Autor: Ilan Brenman
  • Ilustradora: Silvana Rando
  • Temas: Saúde / Poesia / Rima / Gigantes / Relacionamento familiar / Esportes /Geografia / Dia do Esporte (19 de Fevereiro)
  • Faixa Etária: A partir de 2 anos

 

Nesta semana vi uma proposta super fofa da Professora Coruja, um álbum Craques da Sala para usar com as crianças na escola. Mas pode ser da família, né gente?

Ah, para não dizer que não comentei do álbum… por aqui, a filha ainda é muito pequena e meus meninos já estão muito crescidos, com 15 e 18 anos nem deram bola para o álbum de figurinhas, atividade que nos animou muitas vezes! Mas vi um update outro dia que me fez reflexionar! Fica a dica 😉

"Amigos papais/mamães. Eu tô longe de ser um desses pais palestrantes que brotam todos os dias por aqui. Mas quero trocar uma idéia com vocês sobre o ÁLBUM DA COPA. Parece banal, mas representa como estamos criando nossos filhos.⠀ Então, tô vendo muito pai e mãe assumindo a responsa de comprar, organizar, trocar e completar o álbum da garotada. Bicho, vejo isso com uma tristeza imensa. O Davi, meu filho de 7 anos, tá colecionando aqui. O álbum dele tá todo cagado (rasgado, dobrado, figurinha colada torta), faltam umas 50 a 100 figurinhas para completar, ele não tem mais dinheiro no cofrinho e ele já se embananou todo nas primeiras trocas (trocou por figurinhas que já tinha, por exemplo), embora eu tenha passado todas as dicas de como executar essas atividades.⠀ ⠀ – "Poxa, Felipe… mas vc está deixando seu próprio filho na mão… ele vai ficar triste, decepcionado se não completar o álbum…"⠀ ⠀ Claro que vou… É no micro que a gente se prepara para o macro. A vida tá cheia de decepções, de erros que cometemos, de insucessos… Numa pequena atividade como essa, vocês estão tirando de seus próprios filhos a chance de entenderem que, para ter êxito em algo, há uma série de etapas que precisam ser cumpridas, pensadas, planejadas, perseveradas.⠀ Ao colecionar as figurinhas, seus filhos podem aprender de maneira lúdica a importância da organização, do zêlo, da economia, de como lidarem com um mercado específico, de como interagirem com outras pessoas, etc.⠀ E o pior… Ao entregar um álbum completo e impecável que VOCÊS montaram, os senhores estão banalizando a conquista, a vitória, o êxito que deveria ser dos seus filhos.⠀ Parem pra pensar um pouco sobre isso. Estamos criando uma geração que não consegue enxergar o valor das coisas justamente porque nós as entregamos de mão beijada para eles desde o nascimento. Inclusive, não enxergam o valor do seu esforço como pai e mãe para satisfazê-los. Sei que não é por mal… Mas tá fazendo mal…⠀ É isso!"⠀ Publicado por Felipe RC

A post shared by Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) on

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *