Conserve o Amor: Dia Mundial da Doação de Leite Humano

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a amamentação é uma das formas mais eficazes de garantir a saúde e a sobrevivência dos recém-nascidos. Porém, muitas mães se deparam com a dificuldade de amamentar, enquanto outras tem a possibilidade de doar. Neste sábado, 19, Dia Mundial da Doação de Leite Humano, a campanha Conserve o Amor incentiva a doação de leite materno, ao mesmo tempo em que chama atenção para a importância da refrigeração adequada do leite doado, etapa fundamental até o momento do consumo do leite pelo bebê.

Doação, carinho, afeto e sororidade. Compartilhar leite materno é uma atitude que pode mudar a vida de muitas outras pessoas.

Eu vi este vídeo e chorei.

Como mãe, não precisei de doação de leite, mas fui doadora de leite materno.

Isso mudou minha vida.

Na época, no ano 2000, nem existia a palavra sororidade. Era generosidade na prática mesmo.

Tive bebê num hospital particular, mas a Prefeitura de Curitiba tinha um programa excelente chamado Mãe Curitibana que fazia visitas as famílias do bairro, das proximidades dos postos de saúde municipais (atendidos pela rede do SUS) nos primeiros dias depois do nascimento do bebê. Sempre elogio este trabalho porque, embora tenha até sido um pouco invasivo porque uma médica e uma enfermeira chegam de surpresa na sua casa logo que você volta do hospital, fazem perguntas, dão uma olhadinha nas condições do lar (cozinha, quarto do bebê, etc), elas também orientam sobre os serviços públicos disponíveis, as vacinas e etc.

E foi assim que, ao saber que eu tinha muito leite já nos primeiros dias, a enfermeira (que descobri que era minha vizinha de prédio e depois virou uma amiga) me informou que se eu quisesse retirar o excesso e congelar, o banco de leite humano passaria para pegar em casa a cada 15 dias.

Assim foi: por meses eu esgotava o excesso de leite e doava.

Sei que fiz o bem a muitos pequeninos que eu não vou conhecer, mas que ao meu modo eu amei!

<3

Curiosidade: justamente quando eu doava leite, usei o aparelho mais simples e barato! Só na terceira filha eu tive um aparelho mais chique!

De acordo com o Ministério da Saúde, cada 300 ml de leite sustentam, em media, dez recém-nascidos. Hoje, o Brasil possui a maior rede de bancos de leite do mundo com 221 unidades em todos os estados, além de 186 postos de coleta, mas, mesmo com o total de doações, a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano consegue suprir apenas cerca de 60% da demanda para recém-nascidos internados em unidades de terapia intensiva.

Toda mulher que amamenta é considerada uma possível doadora de leite; basta estar saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira no processo. Quem estiver amamentado e quiser doar deve procurar o banco de leite mais próximo ou ligar para o Disque Saúde 136. O leite materno coletado tem o prazo de validade de até 12 horas quando refrigerado na parte superior e no fundo da geladeira (não colocar na porta) e de até 15 dias, contados desde a coleta, no freezer. Se o leite não for utilizado nesse prazo, deverá ser descartado.

Como preparar recipientes para armazenar o leite materno?
O recipiente para armazenagem do leite materno deve ser de vidro e a tampa pode ser de plástico. Deve-se retirar todos os rótulos, incluindo o papel interno da tampa (se houver). Lavar bem com detergente neutro. O recipiente e a tampa devem ser fervidos por 10 minutos na água; e após retirá-lo, deixe-o de cabeça para baixo até secar e esfriar. Em seguida, feche com a tampa. Esse recipiente após esterilizado, poderá ser utilizado em até 10 dias, mas só poderá ser utilizado para armazenar leite uma única vez. Se for reutilizá-lo, uma nova esterilização deverá ser feita, porém não é indicado esterilizar esse mesmo frasco mais de 3 vezes.

Leia também: a importância da gente apoiar – e não pilhar! – as amigas que precisam voltar ao trabalho e querem continuar amamentando.

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *