Estudos relacionam atraso na fala ao uso de tablets e celulares por crianças pequenas

Em um estudo publicado em 2008, os autores relataram atraso significativo no desenvolvimento da fala em crianças menores de 4 anos que diariamente passavam tempo demais na frente da TV.

Em outro estudo de 2013, pesquisadores fizeram uma revisão de diversas pesquisas anteriores e relataram que em crianças menores de 3 anos de idade que fazem uso diário de eletrônicos como televisão, DVD e video-games, há um atraso considerável no desenvolvimento cognitivo e da linguagem além de baixo desempenho escolar ao longo da infância.

Neste ano, minha caçula, que completou 5 anos nesta semana, nasceu. Eu me perguntava:

Será que conseguiremos criar uma pessoinha sem dependência digital neste mundo onde tudo é tecnologia? 

Uso da internet por crianças e adolescentes

Nossos filhos mais velhos tinham tablets, iPods, celulares, dois consoles de videogame (hoje são 3), tanto aparato estava em casa quando a pequena nasceu! Mas, hoje, vejo que conseguimos porque a tecnologia existe, mas não é o centro da nossa vida, tampouco o único acesso ao conhecimento, pois temos uma quantidade maravilhosa de livros, bons instrumentos musicais e gostamos de conviver, conversar, interagir.

Ela trouxe muita mudança pra nossa vida, mas uma coisa, felizmente, continua igual: amamos ler. A chegada da caçula não mudou nossa rotina de leitores vorazes, só reviveu obras queridas e acrescentou novas aventuras, como essa que ganhamos hoje. Ela AMOU que a protagonista (uma menina maluquinha que gosta de mudar as coisas para melhorar o mundo ao seu redor) tem seu sobrenome (Silva) e o escritor é seu xará (Manuel). E eu gostei de ver que #aos4 já consegue acompanhar longas histórias (são 52 paginas!) sem cansar nem perder o interesse! Que coisa linda! #pequenosleitores #obrigadasenhor #abraçosquecuram #encontrosquetransformam #pequenasalegrias #contesuasbênçãos #maisamorsemfavor #menospresentemaispresença #maecomfilhos #familiasns

A post shared by Samantha Shiraishi (@samegui) on

 

E assim, a pequena aprendeu a falar bem e, apesar da Siri do iPad ajudar a forçar uma boa dicção dela em alguns momentos, não é a única que ouve a voz dela nem que atende aos pedidos! Ela está num processo de letramento e alfabetização (natural, sem cobrança) que acontece no papel, nas paredes-lousa da casa e até nas que não são “lousa” (risos).

Essa mescla tem grande valor!

🙂

Uma nova pesquisa foi apresentada esse ano no Encontro Anual da Sociedade de Pediatria nos EUA dá conta que, em crianças menores de 2 anos de idade, há uma associação negativa entre o tempo ocupado com smartphones e tablets e o desenvolvimento da linguagem. Ou seja, quanto maior o tempo dispensado com esses dispositivos maior será o atraso na aquisição da fala.

  • No estudo, o time de pesquisadores do programa TARGet Kids! no Canadá acompanharam mais de mil crianças, de 6 meses a 2 anos de idade, entre setembro de 2011 e dezembro de 2015. Do total de crianças, 20% fazia uso diário de dispositivos eletrônicos, em média 28 minutos por dia.
  • Com base no relato dos pais e em uma ferramenta para avaliação da linguagem, os pesquisadores descobriram que quanto maior o tempo ocupado com dispositivos eletrônicos, maior a probabilidade de a criança apresentar atrasos na fala.
  • Os pesquisadores não obervaram associação entre o tempo de uso desses dispositivos e atrasos em outras habilidades de comunicação (como interações sociais, linguagem corporal ou gestos).
  • As crianças aprendem a falar e a se comunicar através de interações com outras pessoas. Sempre foi assim e continuará a ser, independente de qualquer nova tecnologia que possa aparecer. Os primeiros anos de vida são cruciais para o desenvolvimento da linguagem das crianças. É quando os cérebros delas estão mais receptivos para novas aprendizagens e estão construindo caminhos de comunicação que farão parte deles para o resto de suas vidas.
  • Apesar das recomendações bastante frequentes de pediatras e outros especialistas da área da saúde para restringir o uso desses dispositivos por crianças menores de dois ou quatro anos, ainda é bastante comum que pais aproveitem os eletrônicos como “chupeta” para acalmar e ocupar os filhos.
  • Os resultados da pesquisa apoiam políticas de saúde para desencorajar o uso de qualquer tipo de dispositivo eletrônico de tela, como tablets e smartphones, para crianças menores de 18 meses.

Mais pesquisas ainda são necessárias para entender os mecanismos que estão por trás da aparente relação entre o tempo de uso de eletrônicos e o atraso da fala. É necessário avaliar qual o tipo de relação das crianças com os pais, o tempo gasto em outras atividades, e ainda compreender qual o impacto desse evento ao longo da infância.

Mas fica a dica: nada substitui a interação humana!

Ah, e os pais precisam dar o exemplo, gente!

Fonte:

MA, Julia et al. Is handheld screen time use associated with language delay in infants? Resumo apresentado no Pediatric Academic Societies Meeting, maio de 2017. Disponível em: <https://registration.pas-meeting.org/2017/reports/rptPAS17_abstract.asp?abstract_final_id=1380.1>.

DUCH, FISHER e HARRINGTON. Screen time use in children under 3 years old: a systematic review of correlates. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, 2013.

CHONCHAIYA e PRUKSANANONDA. Television viewing associates with delayed language development. Acta Pædiatrica, 2008.

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *