Dicas para evitar o enjoo nas viagens de carro

Eu fui daquelas crianças que só de pensar em viajar de carro, sentia enjoo e começava a sentir mal-estar. Que sofrimento! Minhas avós e tios moravam longe, mas no mesmo estado, portanto as viagens por estradinhas no interior eram constantes e o sofrimento, idem. Demorei muito para me sentir segura para viajar sem tomar algum remédio que me fizesse tombar, sabem?

Hoje sei que algumas coisas pioravam meu caso. Carro cheio de coisas, a frasqueira da minha mãe sempre no meu pé, o cinto de segurança que não era obrigatório e, sobretudo, minha labirintite que surgiu mais tarde. Tudo piorava o quadro!

🙁

É comum algumas pessoas sentirem enjoo ao viajar no banco do passageiro ou até mesmo como motorista, da mesma forma que em barcos. Recebi algumas dicas da Ford para evitar esse incômodo e que achei úteis para quem pretende viajar ou fazer passeios de carro no Carnaval ou em outros feriados.

Especialistas em doenças do movimento da Ford Europa avaliaram as causas que levam as pessoas a sentir esse mal-estar. O “anda e para” do trânsito e as rodovias sinuosas são situações que, normalmente, agravam essa condição. O enjoo afeta cerca de dois terços da população em algum momento. Um dos testes realizados pelo time europeu apontou, por exemplo, que passageiros adultos que ficaram de cabeça baixa, olhando para telas (de celular ou tablet, por exemplo) durante um curto percurso levaram não mais que 10 minutos para ficar enjoados. Além disso, mostraram que os voluntários ficaram menos propensos a sentir enjoo quando olhavam para telas em posição mais alta e a estrada à frente podia ser vista de ambos os lados.

Reforçando a importância da ergonomia, Eike Schmidt, engenheiro do Centro de Pesquisa e Inovação da Ford na Alemanha, afirma que “o conforto é um item importante quando projetamos os veículos do futuro e a Ford tem como objetivo inserir tecnologia e ergonomia capazes de evitar ao máximo qualquer tipo de mal-estar para quem anda de carro”. Porém, o professor Dr. Jelte Bos, da TNO Sistemas de Percepção e Cognição, na Holanda, ressalta que, além do desconforto, o problema muitas vezes pode ser causado simplesmente pelo modo como o motorista dirige. “Adotar um estilo de dirigir mais suave ajuda bastante a diminuir a sensação de náusea, além de economizar combustível”, destaca.

O Dr. Edson Kayanuma, médico e supervisor de Saúde e Benefícios da Ford Brasil, também acrescenta algumas orientações: “se for passageiro, sente-se de preferência no banco da frente ou no centro do banco de trás para enxergar a estrada à frente. Se for o motorista, dirija de modo suave e, sempre que possível, evite freadas e acelerações bruscas. Também tenha cuidado com os buracos.”

Com o auxílio dos especialistas, a Ford listou mais algumas instruções para evitar esse incômodo e deixar as viagens mais divertidas:

  • Distraia quem estiver passando mal – até cantar em família pode ajudar;
  • Não há problema em beber refrigerante ou comer biscoitos, mas evite tomar café;
  • Use um travesseiro ou um suporte para evitar que a cabeça balance;
  • Use o ar-condicionado para manter a circulação de ar fresco na cabine;
  • Não fique de cabeça baixa jogando videogame ou assistindo a filmes no carro;
  • Fique atento se bocejar e transpirar constantemente, pois esses podem ser sinais de desencontros entre o que o cérebro recebe dos olhos e do labirinto, causando a vertigem.

Leia também:

Isofix, sistema de fixação para cadeirinhas de carro considerado o mais seguro do mundo

 

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *