Preferidos do Gu #aos7 e da Mel #1ano

Nós do @macomfilhos, consumimos livros, passeios, brinquedos, roupas, comida boa e tantas outras coisas. O blog não é sobre isso, mas, no final do ano, quando recebemos perguntas de tios, padrinhos e avós sobre “qual o melhor presente para essa idade?”, a gente se reuniu e fez uma pequena lista com o que mais agradou nossos pequenos em 2017.

Tenho duas referências bem distintas, Melissa com 1 ano e Gustavo de 7 anos.

Brinquedos:

Caixas de papelão, potes de plástico e tirar/colocar roupas das gavetas foram, definitivamente, os “brinquedos” que mais agradaram a Melissa este ano. Mas, brincadeiras a parte, minha pequena ama a estante de livros! E, por isso, vou começar minhas dicas por eles.

Livros:

Acho interessante ver a evolução das crianças na brincadeira com o livro “Cadê a minha mamãe?“. No início, pais/mães que gravam e apertam para os pequenos ouvir. Logo começam a entender qual botão é para apertar e gravar, qual é para ouvir. Depois, associam com a história e, por fim, o Gustavo já lia e fazia os sons. Foi precioso também vê-lo ensinando a Melissa curtir este livro que é realmente um dos mais queridos por aqui.

Para o Gu, este foi o ano de ler as histórias da “Minha Primeira Bíblia” – ele o escolheu quase todas as noites.

Passeios:

Este ano viajamos para Guarajuba, na Bahia e conseguimos aproveitar uma excelente promoção no Resort Vila Galé Marés e foi incrível! Melissa tinha 9 meses e o Gustavo 6 anos.

Além da piscina enorme e maravilhosa do resort, a “Praia do Prefeitinho” – que fica uns 5 minutos de carro do hotel (ou 15 minutos de caminhada) foi a grande sensação! Sem ondas, águas cristalinas e com possibilidade de ver as tartarugas marinhas subindo para respirar (encontramos também um filhotinho!).

É próximo do Projeto Tamar, que foi outro passeio bem gostoso.

O Museu do TAMAR da Praia do Forte foi criado em 1982. Junto com a base de pesquisa, ocupa uma área total de dez mil metros quadrados, cedida pela Marinha do Brasil/Comando do IIº Distrito Naval, no entorno do farol Garcia D’Ávila. Entre tanques e aquários, são 600 mil litros de água salgada com exemplares da fauna marinha da região e de quatro das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, em diferentes estágios do ciclo de vida. 

Cada atividade tem seu dia e horário. O visitante faz sua escolha, guiando-se por um painel com o cronograma. Para tirar dúvidas, há monitores nos pontos de encontro, de onde saem as visitas orientadas, e em toda a área do Museu. Há visitas programadas para escolas, universidades e grupos organizados, com duração aproximada de uma hora e meia. Todos podem ter acompanhamento de um biólogo, veterinário ou monitor.

Ficamos apenas 4 dias, mas valeu demais! Uma estrutura muito bacana para quem vai com bebês e crianças. Amei a Copa Baby e a Mel curtiu quase todas as opções de papinha do seu “cardápio” pessoal.

Brinquedos:

Fiquei pensando nos brinquedos legais que o Gu tem e em como ele intercala momentos qe curte com váriosss dias que não liga a mínima. E o que REALMENTE não perde a graça NUNCA e que ele brinca TODOS OS DIAS é: BOLA! Seja com os amigos do prédio na quadra, ou sobre meus protestos na sala de casa, ele está sempre treinando embaixadinhas e dribles. Deixamos uma no porta-malas do carro, pois a bola é democrática para várias brincadeiras entre crianças, de qualquer idade, e aonde vamos faz sucesso e acaba com o tédio. O nosso menino gosta muito mesmo. Continua sendo um presentão!

E a Melissa segue no mesmo embalo, fica imitando o irmão e brinca bastante de bola também. Não se interessa por bonecas, mas gosta muito de “limpar a casa” com sua mini vassoura. E também adora brinquedos de encaixar. O preferido é este aqui:

O melhor: a durabilidade e resistência dele são incríveis! Gustavo ganhou em seu aniversário de 1 ano, brincou e brinca até hoje com ele e a Melissa todos os dias passa seus minutinhos tentando encaixar, abrindo e fechando portinhas. Para crianças na faixa etária de 1 a 3 anos, é um excelente presente.

The following two tabs change content below.

Viviane Koyama

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *