Tem como escapar ileso do piolho na escola?

Cresci em cidade pequena, brincando na rua e a gente sabia quando um menino tinha piolho, bastava ver o coitado com a cabeça raspada. E, bastava um, para todo mundo começar a coçar e as mães e avós ficarem doidas atrás da gente com pente fino, “neocid” e no caso da minha mãe, shampoo Escabin.

Décadas se passaram, mas isso não mudou. Onde tem criança brincando, os bichinhos podem pular de uma cabeça para outra.

O piolho do couro cabeludo (Pediculus humanus capitis) é um inseto que se alimenta do sangue das pessoas e reproduz-se com rapidez.
O piolho do couro cabeludo (Pediculus humanus capitis) é um inseto que se alimenta do sangue das pessoas e reproduz-se com rapidez.

Transmitido de uma pessoa para outra, ele se instala no folículo piloso, ou seja, na base do cabelo, onde deposita seus ovos, as lêndeas, fáceis de serem reconhecidas e que se diferem da caspa porque ficam grudadas no pelo.

O período de incubação dura de 8 a 10 dias.

A infestação ocorre mais em crianças, principalmente nas que frequentam escolas e estão em contato com outras crianças.

Não tratar a pediculose capilar infantil pode acarretar mau desempenho escolar por causa da coceira, noites mal dormidas e, nos casos mais graves, anemia provocada pela hematofagia desses insetos.

Apesar de ser muito comum em crianças, é importante esclarecer que qualquer pessoa pode ser infestada, inclusive os adultos.

Sintomas:

  • Coceira intensa no couro cabeludo;
  • Feridas causadas pelo ato de coçar;
  • Marcas visíveis deixadas pelas picadas de inseto;
  • Aparecimento de ínguas e infecções secundárias nos casos mais graves de infestação.

Tratamento:

Uma vez que a criança esteja com piolho, qual é o melhor tratamento?

O pediatra Antonio Carlos ressalta: “O tratamento deve levar em conta a idade da criança. Para os menores, é indicado o pente fino e a retirada das lêndeas próximas ao couro cabeludo com algodão umedecido em vinagre”.

Já nas crianças maiores e não alérgicas, a dermatologista Christiane Gonzaga indica: “Os xampus à base de Permetrina e Ivermectina têm se mostrado eficazes no combate ao piolho e as lêndeas”.

Basicamente, o tratamento é feito com uso de inseticidas piretroides de uso local.

Depois da aplicação, o medicamento deve permanecer na cabeça protegida por uma touca durante algumas horas.

A aplicação deve ser realizada durante cinco dias consecutivos e repetida de sete a dez dias depois para atacar os ovos que ainda não haviam eclodido na fase inicial do tratamento, que deve ser estendido para toda a família e/ou parceiros, mesmo que assintomáticos.

É importante que, nas escolas, sem exceção, os alunos que estiveram em contato com a criança afetada sejam tratados concomitantemente.

O kit de tratamento tópico já vem com pente fino para remover as lêndeas mortas. Já existem medicamentos por via oral contra a pediculose.

Recomendações:

  • Examine com frequência a cabeça das crianças;
  • Verifique se cílios e sobrancelhas também não estão afetados pelo inseto;
  • Troque e lave com regularidade a roupa de uso pessoal e a de cama dos portadores de pediculose. O mesmo deve ser feito com a roupa de todas as pessoas que moram na mesma casa;
  • Não use querosene para matar os piolhos e retirar as lêndeas, porque é um produto tóxico;
  • Instrua as crianças para não usarem escovas de cabelo ou bonés dos colegas de escola;
  • Não se esqueça de que o tratamento da pediculose deve abranger todas as pessoas que convivem no mesmo espaço.

Vale ressaltar:

O pediatra Antonio Carlos lembra que, no caso de gestantes, é importante ressaltar que “não existem estudos que aprovam o uso de xampus, loções ou medicamentos para as mulheres grávidas. Nestes casos, as técnicas como a retirada manual, e o uso do pente fino, devem prevalecer”. 

Para saber mais, clique na imagem a seguir:

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *