Um ano do grupo de Powerpério

Há pouco mais de um ano eu vinha conversando com duas queridas sobre um novo projeto que nascia. Era uma casa que abrigaria, além dos consultórios médicos, espaços de encontro e acolhimento às famílias no pós-parto, fase tão intensa e, por vezes, tão solitária.  No dia 03 de outubro de 2016 nasceu a Lumos Cultural.

Iniciaram-se as atividades e um dia a Ju Vasconcelos, nossa “Ministra da Cultura” me chamou pra falar do grupo de pós parto: “eu topo!”, respondi. E no dia 23 de novembro fizemos o primeiro encontro.

Print: lembrança de hoje no facebook

Começou de mansinho, poucas pessoas no início. No décimo encontro eu fiz o primeiro temático do grupo pra celebrar este dia. O tema? Culpa materna! Foi a primeira vez que o grupo lotou!!!! Vinte e oito mães e um pai. Neste dia, todas as mães ganharam um chocolate com os dizeres: “vc já foi gentil com você mesma hoje?”

E assim, uma semana após a outra, sem falhas, muitas mães foram chegando, trazendo suas angústias, suas dúvidas, recebendo acolhimento, cuidado, levando calma, força, construindo sabedoria, vivendo a transformação.

E o grupo ficou forte, “power”!!! E ganhou um nome fantástico: “Powerpério”. Este é o grupo de pós-parto da Lumos!

Em março nós, eu e o grupo, ganhamos um reforço de peso: a Dany Leal. Diferente de mim, que já tinha feito grupo de tudo o que é tema, mas ainda engatinhava no puerpério, ela veio com o saber de quem fez isso a vida toda. Ficou completo!!!

Essa é a Dany

E assim os bebês foram crescendo, as primeiras mães frequentadoras foram retomando suas vidas. De vez em quando elas voltam pra matar a saudade e nos contar como estão se saindo nas novas fases da maternidade, já seguras, e pra nos mostrar que aqueles bebêzicos já estão virando crianças. Pra mim é uma bênção enorme testemunhar essas histórias, esse caminhar de cada mãe que passa pelo grupo e, de quebra, me banhar de muita fofura.

E o grupo se renova toda semana. Sempre tem alguém que está vindo pela primeira vez. O grupo cuida do grupo. E no fim de todo encontro tem café fresquinho com bolo quentinho feito pela Ione, a melhor boleira que eu conheço!

Estamos em festa!!!! Nosso grupo celebra sua primeira volta inteira em torno do Sol. Quatro estações acolhendo histórias bonitas, histórias doídas, desafios e conquistas, ajudando a construir identidades maternas, enquanto construía a sua própria!

Meu nome é gratidão!

Deixo aqui a minha homenagem e imensa gratidão à Dra Vânia Gato, Pediatra Neonatologista, nossa amiga, e a responsável por sonhar e concretizar essa casa linda que é a Lumos e tudo o que ela abriga. Tomo emprestado o pedaço de uma frase que o Alexandre Coimbra disse pra mim e dizer que ela é a mãe da generosidade e da coragem! A “faísca” que nos uniu nessa rede linda de apoio e cuidado. Agradeço a confiança que ela depositou em mim quando me deu de presente este seu “filho” mais que especial. Antes de estar em minhas mãos, este grupo foi sonhado por ela!

Agradeço também à Ju, que junto com a Vânia, pôs a mão na massa pra fazer tudo isso acontecer. E agradeço às inúmeras conversas e toda a sua escuta, de amiga, parceira pra vida, dos áudios trocados, mensagens enormes, cafés, risos e lágrimas.

Agradeço à cada amiga do meu grupo de whatsapp e minha tribo, o “Puta Ocitocina”. Nossos encontros virtuais e presenciais foram os precursores deste trabalho que eu amo tanto. Antes de ser “Lumos”, a Vânia já dava um jeito de por em prática o “ajuntamento” de mães puérperas, sou muito, muito grata a ela por me convidar pra fazer parte disto! (Já contei essa história aqui).

Agradeço à Keila, que esteve no nosso primeiro encontro e começou junto comigo essa história linda! A do grupo, a minha e a dela. Hoje ela é nossa gestora.

Agradeço à Janaína, à Ione e ao Seu Renato, cada um numa parte da casa ajudando o grupo acontecer. E à Patrícia, que esteve por lá quando tudo começou.

Agradeço à toda equipe maravilhosa que está lá, lado a lado, cuidando pra que este seja apenas o princípio do princípio. Desejo vida longa à Lumos e ao Powerpério!

E a minha gratidão maior é para cada mãe  e cada bebê que esteve conosco durante este ano inteiro. O grupo é de vocês, feito por e para vocês.

E não posso deixar de agradecer a cada pai, cada avó, cada tia, cada amiga que também esteve conosco e se uniu a nós neste cuidado, porque é preciso uma vila inteira pra criar um bebê.

Amanhã tem festa, bolo e parabéns, pra celebrar este nosso aniversário. Estão todos convidados pra ajudar a soprar a velinha. O grupo começa às 14:30.

Aproveito pra contar que, além do Powerpério, a Lumos também tem três outros grupos que também são abertos e gratuitos e que são maravilhosos:

  • Grupo de Amamentação, com a Kely, que é fonoaudióloga e consultora de amamentação, e com a Renata e a Vânia, que são pediatras. Acontece às quintas, às 14:30.
  • Grupo Terapêutico de Homens, com o Alexandre Coimbra do Amaral, que é Psicólogo. Acontece quinzenalmente às terças, às 19h.
  • Grupo de Perdas e Lutos Perinatais, também com o Alexandre. Acontece mensalmente, às quartas.

E tem muito mais coisa bacana acontecendo por lá. Pra você ficar por dentro, curte a página da Lumos, toda semana tem novidade. A propósito, todas as fotos deste post saíram de lá.

The following two tabs change content below.
Nivia Gonçalves Masutti, Psicóloga, Psicoterapeuta Existencial, com experiência em Saúde Pública e Saúde Mental e em Recursos Humanos. Deixou o serviço público e mais tarde, a vida corporativa, ao perceber que, mesmo sendo apaixonada pela correria do trabalho, a maternidade é a sua melhor parte. Mãe de primeira e de segunda viagem, da Luiza e do Guilherme, depois de muitas rupturas e recomeços, encontrou na Psicologia da maternidade, um jeito novo de conciliar as coisas que mais ama: a Psicologia e os filhos. Apaixonada pelos processos de crescimento e transformação do ser humano e pela força dos grupos, atua hoje com atendimentos clínicos individuais, coordena um grupo de pós parto, o Grupo de "Powerpério", na Lumos Cultural, e ainda encontra energia para juntar na sua prática profissional outra paixão: fazer pães, usando o processo de fabricação dos mesmos como metáfora para explicar os caminhos de transformação pessoal.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *