Paris com crianças – segunda parte

Olá viajante, seja bem vindo novamente.

Vamos falar sobre o tempo, transportes e hospedagem, dando continuidade ao assunto Paris, afinal, tenho tanto para falar e se você não viu meu primeiro post, dá uma olhada lá, falei sobre Disneyland Paris vou deixar o link aqui:

É hora de brilhar na Disneyland Paris!

Aqui em casa a viagem começa na hora de planejar e o filho participou de todas as etapas, nas escolhas das malas, na compra de livros sobre o destino, assistindo vídeos no youtube sobre os lugares que planejamos visitar e finalmente, na euforia de chegar ao aeroporto, escolher um filme durante o vôo e colocar em pratica as palavras em francês que viemos aprendendo durante o tempo que planejamos a viagem, bonne nuit, bonjour, merci, excusez-moi.

com os pés na França, lembre dessas palavras, você não precisa saber falar o francês, mas começar qualquer interação com essas palavras irá quebrar qualquer gelo e demonstra mais respeito do que você possa imaginar. Meu filho adorou aprender as palavras chaves e por lá, foi aprendendo muito mais, tudo isso faz parte da viagem.

Esse é o João

Qual época do ano ir para França? Fomos em junho, final da primavera e inicio do verão, uma época excelente para andar pelas ruas e parques e na mala, poucas roupas de frio.

A temperatura na França é bem definida, então, foco nas estações do ano:

  • Primavera (21/março a 21/junho)
  • Verão (21/junho a 21/setembro)
  • Outono (21/setembro a 21/dezembro)
  • Inverno (21/dezembro a 21/março)

As estações do ano mais quentes são um convite para piqueniques e passeios pelas cidades, como escurece após as 21hs, o dia vai ser longo, então, tênis ou um calçado muito, muito confortável, será necessário, você vai estar com crianças e vai perambular muito pela cidade.

No verão escurece bem tarde, ótimo para aproveitar parques e passeios ao ar livre, mas isso não quer dizer que passeios a noite pela cidade luz, sejam menos encantadores. Cada estação do ano com sua beleza e particularidade.

Lanches frios são baratos, são muitas opções e o francês tem uma relação muito bacana com a comida e sem cerimonia nenhuma, senta calmamente em parques e bancos pela cidade para uma pausa para o lanche ou almoço. Viva essa experiência.

No verão acontecem diversos festivais, muitos deles ótimo para ir com a criançada, em Paris fique de olho na agenda de shows, sempre disponível no site https://www.paris.fr

[pt-en] Lembrança de um dia em Paris. Me agrada a relação dos franceses com o comer na rua. Para eles é normal, a gente vê jovens fazendo piquenique na beira do canal, vê casais comendo sanduíche na entrada do museu, e eu já vi os vendedores de antiguidades comendo verdadeiros banquetes no meio das feiras. Não tem tabu, não é feio, não precisa se esconder no banheiro pra almoçar. Não tá restrito aos finais de semana no parque, não precisa de cerimônia, ninguém olha torto. É uma outra relação com a cidade (e com a comida) eu diria mais acolhedora e inclusiva. ⠀ ⠀ Memento of a day in Paris. It pleases me the way french people relate to eating out. For them it is normal, we can see young friends making a pic-nic by the canal, a couple eating a sandwich in front of the museum, and I even saw some salesmen having a real banquet in the middle of a flea market. It is not a taboo, it is not ugly, you don't have to hide in the bathroom to have lunch. It isn't restrict to weekends, no one will look you sideways. It is a different kind of relationship with the city, I would say a more welcoming and inclusive one. ⠀ ⠀ 🌿 #tbt #cidadesparapessoas #citiesforpeople #greencities #slowcities #slow #devagar #believemission1

A post shared by Fernanda Cannalonga (@fecanna) on

Alerta!
Se for com crianças que utilizam carrinhos de bebê ou alguém do grupo tiver problemas de locomoção, saiba que por ser uma cidade muito antiga, apesar de existirem metrô e RER (logo conto o que significa) por toda a cidade, a maioria só é acessível pelas escadas e quando eu digo escadas, acredite, são muitas e túneis intermináveis que ligam vários trajetos. Na mesma linha podem passar diversos destinos, fique atento ao seu mapa, não tem um mapa? Não se preocupe eles estão disponíveis nas estações em formato impresso para bolso, carregue sempre um no bolso e leve um reserva na bolsa.

Estatua da Liberdade vista do batobus.

Se você não tem nenhum problema com escadas, invista no transporte publico e para não se perder na hora de pagar eles, a dica é utilizar o cartão Navigo, disponível em versão semanal e mensal, com ele você pode escolher a zona pela qual vai circular, turistas geralmente utilizam da zona 1 até a 3 e com ele você pode andar no metrô, RER e ônibus, inúmeras vezes durante o dia. Ele é vendido por 5 euros nas estações de trem/metrô. Leve uma foto 3×4 para colar nele e assine seu cartão ao final de sua estadia, devolva o cartão e seja reembolsado do valor que pagou por ele.

Mais informações aqui: http://www.navigo.fr/titres/le-forfait-navigo-semaine-presentation

Esse foi o cartão que usei em Paris, não quis devolver, vai que eu volto em breve, não é mesmo? #crossingmyfingers

Antes de iniciar a jornada, baixe o aplicativo Citymapper em seu celular. Ele é completo, possui mapas offline,  melhor trajeto a pé ou transporte público, informa sobre atrasos e você pode usar para todos os meios de transporte.

O Citymapper você encontra na versão para Android e IOS

Vamos a nossa estadia.

Em Paris ficamos em um hotel da rede Ibis, por ser padrão e ter atendentes que falam inglês e espanhol, achamos melhor essa opção, nosso hotel escolhido foi o Ibis Opera Lafayette e foi a melhor escolha que fizemos, depois de muito pesquisar e sem referência nenhuma, foi um presente descobrir esse hotel, no caso foi o melhor custo beneficio com uma localização excelente, próximo a duas estações de metrô e pertíssimo também da estação central Gare Du Nord, de onde saem os trens que servem o norte da França e vários destinos internacionais para o Reino Unido, a Bélgica e os Países Baixos.

bogitw / Pixabay

No bairro onde o hotel está localizado as ruas são calmas, cheias de mercadinhos e comércios encantadores e meu filho se sentiu uma criança parisiense andando pelas ruas, curioso com as vendinhas e frutas típicas da região.

Banca de cerejas. 1kg por 4 euros

Todos os transportes são pontuais, nas estações e paradas de ônibus, fique atento ao informativos em tempo real, horário de partida e chegada do próximo transporte, tão fácil que o filho era nosso guia, dávamos para ele o destino e ele planejava a viagem, apenas observando os informativos.

Esse ponto não era coberto, mas a maioria é coberto, possui iluminação e entrada USB e todos possuem informativos em tempo real

Qual melhor transporte escolher?

Depende de onde você vai, o metrô é a forma mais rápida de se locomover, preste atenção, alguns metrôs são antigos e assim que param na estação, para abrir a porta aperte o botão ou gire a manivela, mas não se desespere, são raros e fáceis de manusear. Existem três de dois andares, eles possuem um trajeto maior com menor numero de paradas, utilizei ele para chegar até o castelo de Versailles. O RER é uma mistura entre trem e metrô, ele vai atender destinos mais afastados como Disney e aeroportos, os ônibus também fazem esse trajeto, mas estão sujeitos ao transito, porém, conhecer a cidade por cima, observar a rotina e conhecer o dia a dia pelas ruas é uma boa maneira de viver o lugar, muito mais que uma viagem, você vai viver um pouco dele.

orianaoviedo0 / Pixabay

Quer fugir do transito e ainda por cima fazer um passeio calmo e de encher os olhos por outro ângulo da cidade?

Vá de barco! Os batobus são barcos turísticos que percorrem toda Paris e passam por diversos pontos turísticos, você pode descer no destino escolhido no meio do caminho e voltar para o barco, o valor depende, escolha entre o plano de horas ou dias. Uma surpresa agradável no passeio de barco é descobrir a Estatua da Liberdade no meio do caminho, no meio de uma ilha. A criançada fica admirada, aproveite para contar a história da estatua. Não sabe? Então vou contar.

139904 / Pixabay

A estatua da liberdade que está em NY foi um presente da França para os americanos, a estrutura dela foi projetada por Gustave Eiffel, esse nome vocês já conhecem, Gustave foi o responsável pela criação da torre que hoje é um dos cartões postais mais visitados do mundo, a Torre Eiffel <3 Antes de nascer a estatua que está em NY, o escultor responsável fez uma em proporção menor para que servisse de modelo. Paris possui 5 versões da estatua, uma boa brincadeira sair a procura delas com as crianças.

Agora que você já sabe sobre o tempo, transportes e hospedagem, vou deixar você planejar, tirar suas dúvidas ou compartilhar aqui sua experiência.

No próximo post, vamos aos pontos turísticos sobre o olhar atento de um filho curioso e um marido atento.

Aguardo vocês!

Até mais 😉

The following two tabs change content below.

Débora Denise

Débora Domingues, 35 anos, aquariana e curiosa. Mãe do João Pedro, 09 anos, sócia da TGB Vidros – Vidraçaria e nas horas de folga, adoro falar sobre construção e decoração.

Latest posts by Débora Denise (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *