Odisseia e o nascimento de Zeus, mitologia grega para crianças

Meu filho Enzo foi vidrado em civilizações antigas, como vikings e faraós egípcios. Mas nada bate o interesse dele pelo mundo grego. Berço da civilização ocidental (como “meio-oriental” eu sei que há mais cultura no mundo do que a ocidental, mas isto é outro papo), a Grécia é atraente para pessoas de todas as idades e merece ser estudada, mas já pensaram como é complicado falar sobre os mitos gregos para crianças? O incesto, dentre outros temas e tragédias nada infantis, estão presentes nas histórias.

Um dos livros que ele adorou ler na infância e quer mostrar para a irmã é “O Nascimento de Zeus e outros mitos gregos”, de Adriane Duarte, com ilustrações de Felipe Cohen, da querida (finada) editora Cosac Nayfi. O livro compõe a coleção Mitos do Mundo, coordenada pela antropóloga Betty Mindlin e com alguns títulos selecionados pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola (pnbe), plano de incentivo à leitura do Ministério da Educação.

E para quem tem outras crianças com curiosidade histórica e famílias que gostam dos clássicos, outra dica é a verão de Odisseia, de Homero, contada por Ruth Rocha. Neste volume, Ruth Rocha – respeitando o espírito da narrativa original – reconta um dos mais emocionantes clássicos da literatura Universal daquele jeito que só ela sabe fazer.

Meu filho adorou o livro, é um dos queridos que ele faz questão de deixar na estante do quarto, nem vai para a da família!

A Odisseia é um dos principais épicos da Grécia Antiga, atribuído a Homero. É, de certa forma, uma sequência de outra grande narrativa: a Ilíada, que retrata os últimos dias da Guerra de Troia.  Na Odisseia, temos relatado o regresso do protagonista, um dos heróis desta guerra, chamado Ulisses.

Gostaram? Fica a dica para quem precisa de uma sugestão diferente para presentear nerds!

 

 

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *