Está na hora de voltar a dirigir para empoderar minha menina!

Quando fiquei grávida da caçula e os meninos já grandes descobriram que seria uma menina, começamos a separar os brinquedos que a gente achava que ela não usaria tanto.

Assim, levamos para casa dos avós, onde acreditávamos que os primos brincariam mais, a coleção de bonecos Max Steel e as pistas de carrinhos. Mas duas coisas eles não me deixaram tirar de casa sob argumentos tão feministas que me ensinaram muito da vida: os dinossauros (afinal, ela pode ser uma cientista paleontóloga um dia!) e os carrinhos tipo Matchbox e Hot Wheels.

0 argumento dos carrinhos voltou à tona agora para mim, pois eles diziam que as mulheres da família dirigem, inclusive eu, e que ela ia dirigir um dia.

20130116-131718.jpg

Nestes 4 anos da Manu, eu não dirijo praticamente nunca. O motivo é que nossa vida, felizmente, exige pouquíssimo deslocamento durante a semana e, nos finais de semana, acabamos saindo em família e meu esposo gosta mais do que eu de dirigir.

Mas… outro dia ouvi minha filha falar que “a mamãe não dirige” e entrar numa discussão com o irmão mais velho porque ele insistia que “mamãe dirigia bem“.

Sinal amarelo, né?

Está na hora de voltar a dirigir para empoderar minha menina!

O que tem no meu carro de mãe?

Para quem está nesta mesma vibe ou tem algum pequeno fã de carros, deixo uma animação bonitinha que a Ford fez contando da receita de um carro. Pode ser o ponto de partida para trazer este assunto à tona e conversar com os filhos sobre o valor de um veículo para uma família e também a responsabilidade de colocar um carro na rua!

Um projeto encantador: Carona a pé

Mais do que só produzir carros, é preciso ter em mente a busca de soluções de mobilidade que ajudam a mudar o mundo, mudando a forma como as pessoas se movem. Parte disso envolve o desenvolvimento de motores mais econômicos, mas potentes, e menos poluentes, assim como tecnologias que facilitem a vida de motoristas e passageiros.

A inovação e a ajuda para a criação de um mundo melhor também passam pelo aproveitamento inteligente e responsável dos materiais. Você sabia que algumas empresas (como a Ford) buscam usar materiais recicláveis e renováveis ao fazer um carro? Alguns modelos como o Ka, New Fiesta, Focus e EcoSport, levam de 5kg a 7kg de PET reciclado em seus carpetes, forro de teto, caixas de roda e mantas de forração acústica. Sobras de tecidos, como o jeans, são usadas em estofamentos, carpetes e forros. Dentro de cada Ka, por exemplo, foram reutilizadas o equivalente a 39 garrafas PET de dois litros! Na versão sedã, o Ka+, o número chega a 41 garrafas. Já o Focus Hatch e o Focus Fastback levam cerca de 11 kg de materiais reciclados.

Interessante, não é? Eu gostei de saber!

 

E aqui uma memória que deixo com uma pergunta: o que tem no seu carro de mãe? Na gravidez da Manuela, a jornalista baiana Dani Vidal me perguntou “O que tem no meu carro de mãe” e parte da minha resposta está nesta foto. Conte suas historias de “mãetorista” ou”paitorista” também!

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Latest posts by Sam Shiraishi (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *