Um conto tão velho quanto o tempo: a Bela e a Fera

No último sábado, 18, fomos conferir o recém lançado filme “A Bela e a Fera”, regravação de um dos clássicos da Disney que povoou nossa imaginação enquanto meninas e que ainda desperta – ou talvez desperte ainda mais hoje – o lado feminino, heróico, esperançoso e romântico de garotas, adolescentes e adultas mundo afora.

As muitas nuances que o enredo de Bela a Fera oferecem, nesta nova versão, fazem valer a ida ao cinema e todo o tempo que dedicamos a uma esforçada interpretação de Emma Watson, nossa eterna Hermione Granger (em referencia ao papel que interpretou por 10 anos, na saga de Harry Potter). A atriz aprendeu a cantar, está mais bela do que nunca mesmo com as vestes simples de camponesa “sem opções” e ainda nos fita a todos com aquele olhar meigo e ingênuo, digno de uma princesa da Disney.

“Finalmente eu posso dizer a vocês… que eu vou interpretar a Bela em novo filme da ‘A Bela e a Fera’ da Disney! Foi uma grande parte do meu crescimento, que quase parece surreal que eu vou poder dançar ‘Be our guest’ e cantar ‘Something there’. Minha versão aos seis anos está nas alturas – coração explodindo. Hora de começar algumas aulas de canto. Eu mal posso esperar para que vocês possam vê-lo”. (Por Emma Watson em seu perfil no Facebook, jan/2015)

Nesta versão atual, que vimos numa sessão exclusiva da rede Cinemark, a convite do Plaza Niterói, conferimos e – é bem possível se opor – ao que a crítica apontava como tendencioso (em relação aos personagens do heróico Gaston e LeFou, seu braço direito) e a fidelidade excessiva a cenas do filme de animação infantil A Bela e a Fera, lançado em 1991. Achei, inclusive, uma reportagem do portal G1 que traz quadro a quadro, em Gifs, a comparação destas cenas em comum. É curioso e chega a ser simpático, mas as fidelidade em si não deixa o filme monótono (de forma alguma) e não trai o telespectador. Tão pouco isso acontece com os diferentes arranjos musicais também citados por críticos que desejavam depreciar o filme. Aliás, adoramos as musicas, não vejo razão para desmerecê-las, de forma alguma.

Quem assistiu a animação antiga e agora se conduz ao cinema para ver o live-action (técnica que mistura atores reais com personagens de animação) desta heroína do século 21, sai muito satisfeito porque a sensação de rostos familiares como os de Ewan McGregor, Emma Thompson, Josh Gad, Luke Evans, Dan Stevens, Kevin Kline, Stanley Tucci, Gugu Mbatha-raw e Ian McKellen e todos os efeitos computadorizados, a “plástica toda”, é arrebatadora. Digno de premiações diversas, eu diria.


Não sou especialista, nem estudiosa do cinema… Sou fã e consumidora e como tal, acredito que “A Bela e a Fera” causará, além do frenesi habitual das obras Disney, um fenômeno de romance no ar, o que é sempre muito bom especialmente quando inspira meninas e mulheres a um padrão de vida com liberdade sim, sendo dona de si, mas sem perder a dignidade, o amor próprio, o valor familiar, a gratidão por seus genitores (cuidando deles) e a sutileza.

Em tempos de funk na pré-adolescência, exposição exagerada do corpo, “nudes” através de aplicativos de mensagens instantâneas até mesmo no âmbito escolar e da sexualidade infantil sendo tão estimulada, acho MARAVILHOSO que meninas desejem ser princesas que lutam por sua família, que honram sua palavra e buscam o amor independente da aparência física, do superficial, do imposto e aceitável. Será que Bela teria esse poder? Instigar uma nova reflexão de conduta e sonhos para uma geração de meninas? Pode ser um novo desafio por onde a Disney planeja enveredar…

“O novo ‘A Bela e a Fera’ melhora a animação clássica. Abraçando sua natureza de musical e adiciona profundidade em uma narrativa familiar, esse live-action é uma verdadeira beleza”, escreveu Brian Truitt do “USA Today”. (Fonte: cinema Uol)

Enfim, para dar um gostinho de cinema total neste meu post, claro que compartilho o trailer do filme e, novamente o vídeo da música tema, interpretado por John Legend e Ariana Grande.

Aproveitem e corram para os cinemas! Bjs

 

 

The following two tabs change content below.
Paranaense de coração, vivendo há 10 anos na conexão Rio/Niterói. Sou Relações Públicas, especialista em gestão de pessoas. Abraço a maternidade em tempo integral na minha jornada como mãe do @guri_feliz #aos9 e do @guri_valente #aos4. Fotógrafa nas horas livres e paparazzi dos filhos, também amo cinema, sou muito fã da cultura pop, quadrinhos e seriados de TV. Com Caio e Vicente inventamos muito #lazercomfilhos e artes de um modo geral! E se sobra tempo, a gente se joga nas viagens...

Comments

comments

One Reply to “Um conto tão velho quanto o tempo: a Bela e a Fera”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *