A pronação dolorosa pode ocorrer mais de uma vez e o melhor a ser feito é a prevenção

Será que você já viveu ou presenciou alguma das cenas que irei descrever?

O bebê está deitado, o responsável o pega pelas mãos para sentá-lo. Ou o casal está passeando com a criança, cada um segurando a mão da criança e felizes fazem a criança balançar, como se fosse uma gangorra. Ou a criança e o responsável estão andando normalmente e para evitar uma provável queda a criança é puxada pela mão.

Pois bem, se após um desses eventos ou qualquer outro que leve um puxão no membro superior na criança e esta comece a chorar, recolha o braço para perto do corpo, não queira brincar, apresente dificuldade de vestir uma roupa pode ser um indicativo que a cabeça do rádio tenha se deslocado em relação ao ligamento que envolve sua cabeça localizada no cotovelo e isso é a pronação dolorosa.

Entenda no vídeo:

Conhecer um pouco a anatomia do membro superior ajuda a entender melhor essa intercorrência pediátrica muito frequente em crianças abaixo de 5 anos de idade.

O membro superior é formado por três ossos longos. O úmero é o osso do braço e o antebraço possui dois ossos o radio e a ulna. Esses três ossos estão conectados por ligamentos e tendões formando o cotovelo! O radio possui um ligamento, o ligamento anular, que envolve sua cabeça dando estabilidade a articulação do cotovelo. Na criança menores, esse ligamento possui uma consistência mais elástica. Na região distal do antebraço, o rádio através de ligamentos, tendões e ossículos forma o punho e dando continuidade temos a mão. Ao aplicar uma força de tensão no sentido longitudinal na mão da criança a cabeça do rádio é deslocada, luxando o ligamento anular e o osso acaba encostando no nervo e isso provoca a dor característica que pode ser refletida para o ombro e o punho. E essa lesão é chamada de pronação dolorosa.

Caso aconteça isso a criança deve ser levada ao hospital o mais rápido possível. O médico ortopedista após diagnosticar pronação colocará o osso de volta em seu lugar sem a necessidade de nenhum tipo de anestesia. Às vezes, o problema pode se resolver espontaneamente mesmo antes de chegar ao hospital.

Logo depois do procedimento, os sintomas desaparecem e a criança volta a mexer os braços normalmente. Na grande maioria dos casos não há nenhuma necessidade de tratamento depois da redução, mas caso haja uma tala será usada para imobilizar o cotovelo até a cicatrização completa do ligamento.

A pronação dolorosa pode ocorrer mais de uma vez e o melhor a ser feito é a prevenção.

 

Como explica Fernando Brandão, especialista em ombros e cotovelos do IOT do HCFMUSP, acontece quado os pequenos são puxados pelo braço por um adulto.

Nesses casos, evitar de puxar as mãos da e orientar a todos que tenham contato com ela, babá, professores, secretária do lar, avós, tios a fazerem o mesmo!

The following two tabs change content below.

Caroline Conceição

Mineira, fisioterapeuta, mãe de Gabi e Lalá.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *