Tem algum hospital pediátrico público bom em São Paulo?


Logo que mudei para São Paulo, há 11 anos, eu passei muita raiva com excesso de radiografias (por ter plano de saúde, os P.S.s faziam exames sem sentido nas crianças para lucrar) e com as filas imensas, que todo mundo me dizia que eram normais, coisa de São Paulo.

Mas aí passei por duas emergências com meu filho do meio (um febrão por conta de amidalite, #aos2, e uma queda de árvore na pracinha, #aos7) e descobri que um bom hospital público perto de cada vale ouro quando precisamos atender com prontidão e seriedade alguma coisa

E por que o hospital público é vantajoso nestes casos?

O hospital público não aguarda para ver se o plano cobre, simplesmente abre alas para você passar quando é grave!

Por isso lembrei de indicar o que conheço aqui na Mooca e que recomendo.

O Hospital Infantil Cândido Fontoura é um hospital especializado no atendimento de crianças e adolescentes. É a maior unidade hospitalar infantil do estado de São Paulo e conta com 118 leitos.Oferece pronto-atendimento 24 horas, internação hospitalar, ambulatório de especialidades pediátricas, além de cirurgias de pequeno e médio porte, UTI pediátrica, UTI neo-natal e berçário externo.


Tem atendimento nas seguintes especialidades em nível ambulatorial: cardiologia, cirurgia pediátrica, endocrinologia, gastroenterologia, oftalmologia, otorrinolaringologia, moléstias infecciosas, neurologia, pneumologia, psicologia, nutrição, neonatologia, genética e hematologia.

Por ser o pediátrico mais próximo de casa, já nos salvou em vários momentos, desde 2005. Mesmo com plano de saúde ok, a gente se habituou a passar primeiro lá na frente para ver se tinha fila, pois sabíamos que seríamos bem atendidos. 

E o Cândido Fontoura passou por uma grande reforma, que o deixou em ótimas condições, melhor do que muito hospital particular atendido por “planos mais em conta”.

Uma amiga me contou que ela e os irnãos atendidos lá durante a infância toda. Pesquisando, descobri que o Hospital nasceu no dia 30 de setembro de 1958, com a vocação de cuidar de crianças e adolescentes. Seu nome tem forte ligação com o público infantil. 

Homenageia o farmacêutico Cândido Fontoura Silveira, inventor do Biotônico Fontoura, fortificante amplamente adotado como complemento alimentar da criançada. Sua construção atendeu a solicitação da população que não dispunha de serviço semelhante na região.

(sim, aquele que todo mundo tomou na infância!)

Com a reforma, em 2008, uma nova rotina foi instituída no hospital: ao entrar no Pronto Socorro a criança é pesada e sua temperatura, aferida. Se estiver com febre, é medicada imediatamente. 

E neste momento é que me surpreendi porque, em 2005, na minha primeira ida ao Cândido Fontoura, me mandaram imediatamente para uma salinha para dar banho morno no meu filho de 2 aninhos. Nunca num hospital particular fizeram isso com meus filhos, mesmo com febre alta

Depois, o paciente passa por consulta com o clínico geral e é encaminhado para exames, se necessário. 

Foi assim com meu filho de 16 anos – até os 17 o atendimento é pediátrico, sabiam? Ele chegou com sinais de virose forte e como tem histórico de bronquite, foi encaminhado de imediato para uma radiografia para verificar se havia algum sinal de pneumonia. Neste caso o raio X tinha sentido e foi valioso.

Para casos mais graves, o hospital dispõe de equipamentos de emergência, como desfibriladores. Com equipamentos de última geração, espaço físico mais adequado (2.880 metros de área construída), informatização e a equipe médica preparada, o hospital tem aumentado os atendimentos e melhorado a qualidade dos serviços e dizem que a UTI nada fica a dever a hospitais como o Sírio Libanês. Em cada UTI (neonatal e pediátrica) há 14 leitos.

Pelos corredores do hospital, circulam por mês três mil crianças e adolescentes para fazer exames de raios-X. Outras 280 passam pelo ultrassom. O hospital dispõe de ultrassom com doppler, ecocardiograma, eletrocardiograma, eletroencefalograma e laboratório de análises clínicas.

A Aline Kelly me contou que sua filha mais nova faz acompanhamento lá com neuropediatra e otorrinolaringologista, tratamento indicado no próprio Cândido Fontoura depois de passar no P.S. algumas vezes com constantes dores de cabeça. 

Outro diferencial do hospital é receber recém-nascidos que requerem tratamento após alta hospitalar. Para isso há um berçário externo, com 15 leitos, e uma UTI neonatal, com 6. Desde 1995, a medicação utilizada no hospital é feita pelo sistema de distribuição de medicamentos por dose unitária, então as pessoas saem de lá com a medicação certa.

Para cuidar de todo o público infantil, o hospital dispõe de 170 médicos, 173 auxiliares de enfermagem, 35 enfermeiros, 83 profissionais com nível superior, 299 pessoas na área administrativa e 9 Jovens Acolhedores.

Além de serviços médicos, o hospital criou uma comissão para tratar de maus-tratos a partir da constatação de que muitas crianças e adolescentes que chegavam para receber atendimento eram vítimas de violência. Também promove palestras com funcionários de creches sobre refluxo e outros cuidados básicos.

Enfim, é uma referência. E prova de tem coisas boas para a população, não é só o universo da saúde pública sucateada que os programas de TV gostam tanto de explicar – não por acaso, em jornais que têm planos de saúde como anunciantes, né?

😉

The following two tabs change content below.

Sam Shiraishi

Cristã, jornalista, mãe de Enzo, Giorgio e Manuela, casada com Guilherme. Paranaense que caiu de amores pela Mooca em 2005. Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena.

Comments

comments

One Reply to “Tem algum hospital pediátrico público bom em São Paulo?”

  1. Precisava mesmo de uma dica dessa. Meu convenio é empresarial e está tendo vários problemas com a empresa em relação a pagamento. Desisti de tentar passar la. Vou nesse aí, perto de casa e bom, pelo que vc falou. Vou levar meus filhos hoje la. Pois o convênio só passa antibióticos e antialérgicos sem fazer exames complementares. E o mesmo problema sempre volta. Vamos ver se a sorte muda. Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *