Sobre o Legado Olímpico Rio 2016 na prática

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 encerraram-se na noite de domingo, 21 de agosto e a partir desta segunda-feira muito do que ouviremos diz respeito ao Legado dos Jogos Olímpicos, quais as benfeitorias ficarão disponíveis para os cariocas e como tudo isso será gerido. Administração pública versus iniciativa privada, como e quem irá administrar o funcionamento dos espaços e garantir que a população seja beneficiada após tantos investimentos? As perguntas são muitas e em verdade, embora já haja um posicionamento oficial do governo municipal (que transcreverei abaixo), sabemos que uma coisa pode ser dita, porém não cumprida e os cariocas querem compromisso, pois a intenção é aproveitar na prática tudo que foi apresentado aos olhos do mundo.

image

De acordo com matéria veiculada hoje, via sessão Globo Esporte do portal G1, depois da Olimpíada e da Paralimpíada, o Parque Olímpico vai sofrer uma mudança considerável. Das sete arenas construídas, duas temporárias serão desmontadas, três farão parte de um centro de treinamento de alto rendimento ao lado de outras duas que já existiam, uma vai virar escola, e a outra vai servir como casa de eventos ou treinamento de atletas.

No último dia 4 de agosto, Prefeitura do Rio e Ministério do Esporte apresentaram em conjunto o plano de legado do Parque Olímpico e do Complexo Esportivo de Deodoro, as duas principais áreas de competição da Rio 2016. Tratava-se de uma determinação do Ministério Público Federal, que até esta data exigia detalhes do plano apresentado ano passado pelo município. Na ocasião, não havia a participação da União, em um momento em que a relação entre os dois entes andava estremecida em relação ao legado.

A Prefeitura lançou, no dia 30 de junho, um edital de parceria público-privada (PPP) concedendo a gestão, operação e manutenção das arenas que permanecerem no Parque Olímpico por 25 anos. De acordo com o prefeito Eduardo Paes, quatro empresas demonstraram interesse em conhecer o processo. Isso, no entanto, não quer dizer que elas enviarão propostas para disputar a licitação.
De qualquer forma, a Prefeitura já assumiu um custo de R$ 13 milhões por ano para manutenção das estruturas. A Via Olímpica, por onde os torcedores circularam durante os Jogos Olímpicos, vai virar uma área de lazer aberta ao público. No restante da área serão construídos condomínios residenciais. E assim temos que aguardar o andamento dessas propostas e novas obras…

Então, diante de planos e discursos, a gente se pergunta: mas de fato, qual será o legado olímpico? E eu digo, o que pra mim, parece que será…

image

Um grande legado deste momento histórico que simboliza a realização de uma Olimpíada no Brasil, a primeira entre os países da América do Sul, é o orgulho de seu povo. Em duas semanas o mundo observou atentamente a alegria contagiante e a criatividade do povo brasileiro, a ginga e a flexibilidade, a marra e a garra, a solicitude e o acolhimento de um povo absolutamente miscigenado em que cada “gringo” é capaz de encontrar coincidências e pontos em comum. Fomos subjugados e analisados milimetricamente e com exemplos de justiça, autoridade e investigação como no caso da ameaça terrorista pré-jogos, da violência física contra mulheres por parte de boxeadores ou da falsa denúncia dos nadadores norte-americanos, mas acima de tudo por exemplos de organização, disciplina e boa vontade (no trabalho de voluntários, por exemplo) os brasileiros puderam reconhecer o mérito de seu país.

Esse “descobrimento” sobre a capacidade do Brasil ter realizado um evento tão grandioso, motiva a auto-estima de um povo que não é dos mais patriotas, mas que tem o desejo de ser. Se estimulado, quando bem guiado, os brasileiros estufam o peito para defender seu país e nenhum exemplo é maior do que o da garra e vitória de atletas olímpicos. Saber de suas lutas individuais, dos desafios diários  enfrentados e ultrapassados, das injustiças, acompanhar o choro de alegria e os gritos de desabafo pela expectativa e cobranças, enxergar no outro a gratidão pela oportunidade e presenciar a fé em seus corações, estimula o brasileiro a querer ser mais e a querer honrar seu país.

Isso é um legado olímpico. A comoção pública e coletiva possível nos estádios onde perdemos a chance de medalha no futebol feminino, bem como onde ganhamos o ouro inédito do futebol masculino e mais ainda, na despedida vitoriosa de um guerreiro, como no caso do atleta Serginho da Seleção de Voleibol masculino, estimula o sentimento de civilidade e o orgulho nacional. Que sejam mantidos esses símbolos de perseverança, união e respeito entre nossos cidadãos assim como é permanente entre os atletas de uma seleção. Isso será um legado olímpico.

E antes que eu me despeça, tenho um exemplo muito genuíno para compartilhar. Meu filho caçula, de 3 anos e que semanalmente acompanha a execução do Hino Nacional na escola, hábito que gosta muito, neste momento de Jogos Rio 2016, passou a correr na direção da televisão, muito mais entusiasmado ao ouvir a introdução do nosso hino. Perguntava-nos sobre a posição das mãos, a razão dos militares e atletas militares posicionarem as mãos em continência à bandeira, além de outros gestos de curiosidade e orgulho. Mas acima de tudo, encantou toda a família com o seu interesse pela pátria, sinalizando que entendia o quão grande estava sendo aquele momento. Em músicas inventadas, histórias e desenhos, ele e o irmão foram traduzindo os exemplos que estavam observando entre um jogo/competição e outro.

Sem igual. Brasil, parabéns!

E que fiquem as imagens da cerimônia de encerramento para colorir este post e esse momento!

image image image image

The following two tabs change content below.
Paranaense de coração, vivendo há 10 anos na conexão Rio/Niterói. Sou Relações Públicas, especialista em gestão de pessoas. Abraço a maternidade em tempo integral na minha jornada como mãe do @guri_feliz #aos9 e do @guri_valente #aos4. Fotógrafa nas horas livres e paparazzi dos filhos, também amo cinema, sou muito fã da cultura pop, quadrinhos e seriados de TV. Com Caio e Vicente inventamos muito #lazercomfilhos e artes de um modo geral! E se sobra tempo, a gente se joga nas viagens...

Latest posts by Tiffany Stica (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *