quarta-feira, 29 de junho de 2016

Cada etapa a seu tempo: os marcos do desenvolvimento do bebê




A maternidade é marcada por momentos de ansiedade. Desde o momento da descoberta da gravidez até a chegada do bebê, os pais enfrentam uma jornada permeada por dúvidas, incertezas e muitas expectativas. O nascimento da criança encerra um ciclo de preocupações e dá início a outro: com o bebê nos braços e a rotina diária a todo vapor questionamentos como “quando meu filho irá engatinhar?”ou “quando começará a falar ou andar?” não demoram a surgir.

O desenvolvimento motor das crianças passa por algumas etapas, como sentar sem apoio, engatinhar e ficar de pé. Existe uma previsão para o cumprimento de cada fase, porém cada bebê segue um ritmo natural. De qualquer forma, é essencial que crianças entre 0 e 12 meses de idade visitem periodicamente um pediatra para que o profissional avalie se seu desenvolvimento está acontecendo de maneira adequada.

Marcos do desenvolvimento:

  • 0- 1 mês: o bebê observa um rosto, reage ao som, eleva a cabeça
  • 1-2 meses: sorri quando estimulado, emite sons, movimenta os quatro membros
  • 2-4 meses: dá gargalhadas, segura objetos, levanta a cabeça apoiando-se nos antebraços
  • 2-4 meses: leva objetos à boca, rola, localiza sons
  • 6-9 meses: senta-se sem apoio, transfere objetos de uma mão para outra
  • 9-12 meses: imita gestos, anda com apoio
  • 12 - 15 meses: mostra o que quer, diz uma palavra, anda sem apoio
  • 15-18 meses: fala três palavras, anda para trás

Fabíola Peixoto, pediatra do Hospital Leforte, explica que é preciso entender o tempo de cada criança e não deixar que o excesso de preocupação gere uma expectativa desnecessária. Bebês prematuros, por exemplo, têm um desenvolvimento mais lento. Porém, após o 15° mês de vida, a diferença entre seu desenvolvimento e o de uma criança não prematura provavelmente não existirá mais. “Quando o pediatra percebe que existe uma dificuldade real ou um atraso no desenvolvimento da criança, solicita exames que possibilitam um diagnóstico preciso. Porém, no geral, esses casos são acompanhados de perto e com o suporte de outros especialistas, como fisioterapeutas, psicólogos e fonoaudiólogos, podemos reverter o quadro”, afirma a pediatra.

Alguns estímulos podem partir dos pais, em casa. Para bebês que ainda não engatinham, a dica é deixá-los menos tempo no berço e incentivar brincadeiras no chão ou tapete, permitindo que a curiosidade em explorar o meio os encoraje a engatinhar. No entanto, mesmo para essas medidas caseiras é necessário buscar a orientação do médico, pois se feitas de maneira incorreta podem prejudicar o bebê.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Um pouco sobre o trabalho voluntário no Canadá


Aqui no Canadá, o trabalho voluntário é muito comum. É considerado, inclusive, como experiência de trabalho quando você precisa arranjar um emprego e as referências do local onde você trabalhou como voluntário podem ser decisivas na sua contratação. Aliás, aqui é muito comum você fazer networking, conhecendo pessoas e obtendo indicações para ofertas de trabalho, no local onde você faz o seu voluntariodo.

Desde muito cedo os canadenses são motivados a trabalhar como voluntários, participando bastante ativamente da organização dos eventos nas escolas e na comunidade. Os pais também são super presentes na vida escolar dos filhos, ajudando os professores na organização de eventos escolares e nas excursões a museus, parques, centros culturais. Eu mesma já participei como voluntária na escola dos meus filhos e posso dizer que é uma experiência muito gratificante!

Fora isso, existe trabalho voluntário nas mais diversas áreas e se você quiser se envolver em alguma iniciativa deste tipo, você pode fazer uma busca utilizando os sites de ofertas de emprego, como o Indeed.ca. Esse espírito de colaboração mútua e a ajuda ao próximo se refletem muito na vida cotidiana das pessoas aqui no Canadá, gerando um sentimento de comunidade que é muito acolhedor.

Para mostrar como isso pode fazer a diferença na vida de toda uma comunidade, eu queria compartilhar com vocês um vídeo do canal Fala Maluca do YouTube. A Luciana, que produz o canal junto com a Carol, participou muito ativamente da construção de um parquinho para crianças na comunidade em que mora, na província de British Columbia, no Canadá. O resultado é lindo e emocionante! Parabéns à Lu por todo empenho, dedicação e criatividade! Parabéns ao Fala Maluca por compartilharem esta experiência tão inspiradora com a gente. Espero que vocês, queridos leitores e seguidores do Mãe com Filhos, assistam e curtam bastante!


quinta-feira, 23 de junho de 2016

Mãe com filhos na ABRIN 2016


Pelo terceiro ano o Mãe Com Filhos esteve na ABRIN, maior feira de brinquedos da América Latina e terceira maior do mundo, que reúne os principais fabricantes nacionais de brinquedos, puericultura e afins. 

É uma oportunidade impar de ver o que os maiores fabricantes de brinquedos do Brasil estão pensando para entreter as famílias, de descobrir o que se importa e o que se produz por aqui, além de entender como anda o mercado, que diz muito para nós sobre comportamento e economia. 

Promovida pela ABRINQ - Associação Brasileira de Brinquedos e a FRANCAL FEIRAS, a Abrin acontece anualmente, no primeiro semestre e promove o lançamento de milhares de novos produtos que vão abastecer o varejo durante o ano, principalmente nas datas mais importantes para o setor: Dia das Crianças e Natal. 

Além de referência para o mercado, a ABRIN nos dá perpceção dos brinquedos em geral e dos pedagógicos, da puericultura leve e pesada, jogos eletrônicos, colecionáveis, fantasias e outros artigos.
Neste ano o time #maecomfilhos esteve representado por Samantha Shiraishi e Tatti Maeda, e as fotos são autorais das duas. 

terça-feira, 21 de junho de 2016

PARATODOS - O filme sobre alguns dos melhores (para)atletas do mundo. Spoiler: São Brasileiros.

Todos imaginamos como é difícil a rotina de um atleta no Brasil.

Além de assistirmos inúmeras reportagens nos programas esportivos, a falta de infraestrutura para quase tudo nos faz imaginar que para eles não é diferente.
Quantos atletas você conhece? Pelo nome, suas realizações, seu currículo, sua família? Com certeza num país que respira futebol a maioria deles vai ser desse esporte.

Imagina então se perguntar da paraolimpíada!?

Você sabia que o Brasil é a 7ª potência mundial no paradesporto?
Isso mesmo, no paradesporto, temos muitos atletas que se destacam entre os melhores do mundo e que sempre entram na disputa por medalhas.

Toda essa introdução foi pra dizer que assisti pelo Mãe com Filhos a pré-estreia do filme/documentário Paratodos e sai com a sensação de que ele é um filme necessário para todos (com o perdão do trocadilho).


Fui com as expectativas bem baixas assistir o filme, confesso. Apesar do tema me interessar demais como ex-atleta e deficiente, a maioria das reportagens/documentários  que envolvem pessoas com deficiencia sempre esbarram na hipervalorização da superação e eu, pessoalmente, não gosto nem um pouco desse tipo de narrativa.

Mas nos primeiros minutos de filme eu já fui as lágrimas. Rever a prova do Alan Fonteles nas Olimpíadas me trouxe novamente a sensação de quando vi pela primeira vez.
Pra quem não sabe, Alan superou Pistorius na prova de 200m da Olimpíada de Londres, ficando com a medalha de ouro, numa prova que já era dada como vencida pelo Sul Africano.

Olha, mesmo eu sendo muito ligada a esporte em geral, confesso com bastante vergonha que pouco conhecia da trajetória dos atletas que tiveram suas vidas registradas nos 4 anos em que o diretor Marcelo Mesquita (Cidade Cinza) acompanhou seu dia a dia.

Atletismo, Futebol de Cinco, Canoagem e Natação. Todos desvendados  através de nosso atletas que se destacam como Terezina Guilhermina, a mulher cega mais rápida do mundo, Fernando Fernades conhecido no Brasil através do BBB e que é tri-campeão mundial de Canoagem, Daniel dias, que ganhou nada menos que 9 medalhas nas Olimpiadas de Pequim, além da seleção de Futebol de cinco, Campeã mundial de 2014 (bem diferente de outras seleções rs) entre outros.

O filme conta a trajetória desses atletas dentro do esporte, suas vidas, suas dificuldades mas mais do que isso o filme mostra que além de atletas, eles também são  humanos.

 Paradesporto é auto rendimento, é treino pesado e o filme também. Além das histórias fascinantes, engraçadas, com barreiras e desafios mostrados de uma forma empolgante, tem uma fotografia incrível. E se você não gosta de documentários, não precisa se preocupar: esse passa longe de ser cansativo.

Eu como deficiente e principalmente como ex-atleta fiquei especialmente emocionada, mas tenho certeza que a história vai encantar a todos

Hoje é a pré-estreia para o púbico e numa ação inédita todas as salas que exibirem o filme contarão com um embaixador: um paratleta que irá representar o Brasil nas Olimpíadas. Além disso o ingresso é meio entrada.
Confira os cinemas participantes na página do filme no Facebook: https://www.facebook.com/paratodosofilme

O filme estreia em circuito Nacional no dia 23/06.

Eu não perderia: O filme é um ótimo aquecimento pras Olimpíadas e Paraolimpíadas, uma história que te faz pensar, conhecer os atletas e entender que ser deficiente é só um detalhe, quando se tem vontade de vencer.


Trailer



Importante! O filme tem um app para tornar acessivel todas as sessões com libras, áudio descrição e legendas.


quinta-feira, 16 de junho de 2016

Bob, o construtor: vocês preferem o antigo ou o novo?



Gente, eu não tenho preparo psicológico para conviver com esse novo Bob, O Construtor.

Para mim a graça estava na animação stop-motion, sem falar na música, que animava a sonhar com realizações:


"Podemos consertar? Podemos sim!"

Foi um dos desenhos favoritos dos meus filhos mais velhos e os sobrinhos cariocas brincam com os Legos daquela época até hoje.


Pelo menos não estou só... li que quando a Matel resolveu refazer a série, em 2012, muita gente reagiu mal.


E vocês, gostam? Preferem o antigo ou o novo?

Caso você nunca tenha visto...


A história é fofa.











Na cidade onde mora, Bob é um jovem construtor conhecido pelo seu ótimo trabalho consertando, construindo e reparando inúmeras casas e lojas dos habitantes.


Era simpático ter Wendy, sócia/parceira de trabalho de Bob, que o ajuda nas construções e (empoderamento feminino!) exerce os mesmos serviços de Bob e assim como ele também é capaz de operar suas amigas máquinas para fazer o serviço de construção civil.






Eles não estão sozinhos em seu serviço, pois contam com a companhia de máquinas falantes que ajudam no seu trabalho de construção civil ao mesmo tempo que aprendem coisas novas em meio as andanças pela cidade.










Saiba mais:

- A série original foi criada por Keith Chapman e desenvolvida pela HIT Entertainment, e foi ao ar entre 28 de novembro de 1998 e 10 de junho de 2012.

- A nova série estreou em 1 de setembro de 2015.

- Ao todo são quase 300 episódios em 19 temporadas.

- No Brasil já foi transmitido pelo Discovery Kids em canal fechado, e pelo SBT, TV Cultura e TV Brasil em canal aberto.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Como conter a emoção com a foto da bebê amparada pelas luvas do pai?


Partiu o coração ver as fotos de um bebê com três semanas de vida, amparado por luvas de motociclista. Hector Alvarez, o pai da pequenina Aubrey, morreu tragicamente um mês antes de ela nascer. 

'O papai dela amava a motocicleta. Ele sempre usou equipamentos de proteção. Ele queria ter certeza de que estava seguro. Não podia correr nenhum risco com um novo bebê a caminho. Mas ele nunca vai segurar sua bebê. A vida dela foi levada apenas um mês antes de ela nascer por alguém que ele considerava amigo. Dizem que anjos estão falando com bebês quando eles sorriem enquanto dormem. Acho que talvez seja verdade", escreveu a fotógrafa Kim Stone ao publicar a imagem no Facebook.


Ela disse que fez essa e outras fotos da bebê a pedido da avó, que é sua vizinha. "Eu precisei rezar antes da sessão de fotos", escreveu Kim em seu blog. "A doce mãe está despedaçada emocionalmente. Ela quis usar os equipamentos de motocicleta do pai, algo que ele amava", contou a fotógrafa, que explicou que teve autorização da mãe para publicar a imagem. 

A família criou uma conta no site "GoFundMe", para receber doações de quem quiser ajudar no futuro da pequena Aubrey. 

Vamos todos ajudar?


terça-feira, 14 de junho de 2016

10 nomes das crianças mais levadas - e das mais comportadas também!



Por meio da onomástica, estudo destinado a explicação dos nomes próprios na área de linguística, pesquisadoras revelam 20 nomes de crianças mais bagunceiras e mais comportadas.

onomásticasubstantivo feminino1.
relação, coleção, lista de nomes próprios.
2.
ling estudo linguístico dos nomes próprios; onomástico, onomatologia [Compreende várias subdivisões, como a antroponímia, a astronímia, a mitonímia, a toponímia etc.].

A School Stickers, uma empresa especializada em criar adesivos, certificados e cartões para escolas usarem em sala de aula, fez uma pesquisa nos Estados Unidos para descobrir quais nomes são mais comuns entre as crianças levadas e as bem-comportadas. A pesquisa foi realizada na School Stickers USA em 10 mil escolas. Os instrutores pediram a 60.000 crianças para arquivarem os adesivos que receberam na escola pelo bom comportamento.

Depois de monitorar o comportamento dessas crianças e, com base nos próprios registros das etiquetas de bom comportamento da escola, os pesquisadores analisaram e divulgaram os “nomes dos pestinhas”. Ou seja, daquelas crianças com maior probabilidade de se comportarem com rebeldia.

Como o estudo não foi realizado no Brasil nem todos os nomes correspondem aos usados em português, por isso o Portal Raízes fez uma lista com base nos estudos da especialista em onomástica (estudo dos nomes próprios) e antroponímia (o estudo dos nomes de pessoas), Maria Vicentina do Amaral Dick, da Universidade de São Paulo, para conhecer os “pestinhas” e “santinhos” que temos por aqui.

Confira os 10 nomes para meninos e meninas mais levados e 10 nomes de meninos e meninas mais bem-comportados:

Meninas levadas:
Alice, Sofia, Beatriz, Laura, Júlia, Ágata, Gabriela, Rafaela, Sara e Ana

Meninos levados:
Victor, Artur, Gabriel, Bernardo, Guilherme, Pedro, Miguel, Gustavo, Henrique e Rafael

Meninas bem-comportadas:
Bruna, Isabel, Mariana, Juliana, Diana, Débora, Jéssica, Raquel, Joana e Érica

Meninos bem-comportados:
David, Nuno, Daniel, Eduardo, Bruno, Tiago, João, Samuel, Diogo e Hugo




(Imagem: Pixabay. Texto daqui