quinta-feira, 26 de maio de 2016

Significado da celebração de Corpus Christi

Tapete confeccionado nas ruas do bairro da Mooca

Imagino que mesmo que não seja católico, já ouviu falar dos festejos de Corpus Christi, não só por conta do ponto facultativo, mas também por conta dos tapetes que enfeitam diversas cidades e ganham destaque na data de hoje nos telejornais. Mas você conhece o significado da data?

Corpus Christi é uma festa religiosa da Igreja Católica que tem por objetivo celebrar o mistério da eucaristia, o sacramento do corpo e do sangue de Jesus Cristo.

Acontece sempre em uma quinta-feira, em alusão à Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste sacramento. Durante a última ceia de Jesus com seus apóstolos, Ele mandou que celebrassem Sua lembrança comendo o pão e bebendo o vinho que se transformariam em seu Corpo e Sangue.

"O que come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna e, eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue é verdadeiramente bebida. O que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. O que come deste pão viverá eternamente" (Jo 6, 55 – 59).
Acreditamos que através da Eucaristia, Jesus nos mostra que está presente ao nosso lado, e se faz alimento para nos dar força para continuar. Jesus nos comunica seu amor e se entrega por nós.

Sobre a procissão nas ruas 

Em muitas cidades portuguesas e brasileiras, é costume ornamentar as ruas por onde passa a procissão com tapetes de colorido vivo e desenhos de inspiração religiosa. Esta festividade de longa data se constitui uma tradição no Brasil, principalmente nas "cidades históricas", que se revestem de práticas antigas e tradicionais e que são embelezadas com decorações de acordo com costumes locais.


Tapete confeccionado no estacionamento da Paróquia que participo. 

No Brasil, a festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília, em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de madeira de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais.

A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo.

Durante a Missa o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra, apresentada aos fiéis para adoração. Essa hóstia permanece no meio da comunidade, como sinal da presença de Cristo vivo no coração de sua Igreja.

Um vídeo publicado por Aline Kelly (@alinekelly) em

quarta-feira, 25 de maio de 2016

#Bicicultura2016 reúne ampla programação infantil em SP neste feriado



As crianças têm programação garantida no #Bicicultura2016, o maior encontro nacional de mobilidade por bicicleta e cicloativismo, que acontece de 26 a 29 de maio, com programação gratuita dividida pela Galeria Olido, Theatro Municipal e Praça das Artes, no centro da cidade de São Paulo. Um dos destaques é o show de Taciana Barros e Edgar Scandurra que fazem parte do Pequeno Cidadão, dia 26, às 17h. Eles trazem para a frente do Theatro Municipal um divertido repertório musical que inclui a simbólica música Bici, Bike, Magrela.


Com atenção à diversidade de projetos, os espetáculos da programação vêm de diferentes regiões do Brasil e trazem a bicicleta como personagem. Entre as opções teatrais estão: o miniteatro Ciclistas Bonequeiros, que é realizado com bonecos e sob bicicletas. Há o Teatro de Fantoches Pé no Pedal e Lixo no Lixo, realizado por um casal de cicloviajantes, com enredo que procura despertar a consciência ambiental nas crianças. E o espetáculo Farrapo O Palhaciclista, um espetáculo de improvisação que utiliza o palhaço e a bicicleta como dramaturgia.

A literatura e contação de histórias também estão presentes no evento. Histórias Inclusivas de Willian Gama explora narrativas que tratam dos temas de inclusão, acessibilidade, educação, diversidade de gênero e cultura popular brasileira de maneira poética. Outra opção pra quem gosta de leitura é a seção Ciclopoesia – Roda de Poesia e Brincadeira, ou ainda a Bibliocirco, uma biblioteca móvel dirigida por palhaços que realizam intervenções literário-circenses. O livro e a bicicleta também são dupla central da Bicicloteca, uma biblioteca itinerante sobre duas rodas que promove acesso à leitura de crianças e jovens.

Para os pequenos interessados em colocar a mão na massa, tem o Projeto Rabisco e As Máquinas Revolucionárias, um espaço de criação de livros, animações, bonecos e objetos interativos. Idealizado pela artista Natalia Lemos, ele é uma grande caixa de madeira sobre um triciclo, que leva pela cidade objetos mecânicos que disparam diferentes propostas de interação por meio de movimentos sensoriais e lúdicos, como “máquinas de acumular dor”, “de observar o mundo com diferentes filtros de cor”, e até de “soltar um desejo no universo”. A oficina Desenhar uma Bici ajuda as crianças a colocar no papel a imagem da tão sonhada bicicleta.

Quem quiser voltar no tempo, pode conferir a Exposição de Bicicletas Antigas pela Praça das Artes. E pra os interessados em aprender a andar de bicicleta nos grandes centros urbanos, pode participar da Escolinha de Bike Itaú, que ensinará crianças de 2 a 7 anos a pedalar nesses espaços.
Para conferir a programação completa, acesse: http://bicicultura.org.br/programacao/
Abaixo a programação infantil dia a dia:

PROGRAMAÇÃO INFANTIL
De quinta, 26 de maio, a domingo 29 de maio
Exposição de Bicicletas Antigas
26 a 29/5
9h30 às 17h
Praça das Artes – Área de Exposição

Quinta-feira, 26/5
Escolinha de Bike Itaú
26/5 – Programação Externa
Local: Theatro Municipal – Esquina
Horário: 9h às 17h
Essa é a mais nova inciativa do Itaú em mobilidade urbana nas cidades. A novidade é que agora as crianças também poderão pedalar nas famosas ‘laranjinhas’. O projeto que tem como foco crianças de 2 a 7 anos de idade, tem o objetivo ensinar aos pequenos como andar de bike em centros urbanos de forma segura, colocá-los em contato com a rotina do trânsito e suas regras e lidar de forma harmoniosa com a questão da mobilidade urbana para auxiliá-los no desenvolvimento do papel de cidadão.

Ciclistas Bonequeiros
26/5 – Programação Externa
Local: Espaço Bicicletinha – Praça das Artes
Horário: 11h30 às 13h
Ciclistas bonequeiros é um grupo que atua pelas ruas de São Paulo desde 2011, com a pesquisa da técnica de Teatro Lambe-lambe (teatro de miniatura). Unindo a consciência Urbana, o meio ambiente e o teatro de bonecos.
“Ciclistas Bonequeiros” é uma ação feita para acontecer com bonecos e sob bicicletas em miniteatros. A inspiração veio da técnica dos fotógrafos de “Lambe-lambe”, onde assim como em nossas apresentações, uma pessoa por vez assiste. O projeto é a junção de arte, consciência urbana e meio ambiente, artistas/ciclistas sob um meio de transporte alternativo e sustentável, a bicicleta, oferecerão arte, através de performances com manipulação de objetos e bonecos. A apresentação segue a trilogia: Uma Saga Macunaímica, inspirada no Livro Macunaíma, de Mário de Andrade.
Show Taciana Barros e Edgar Scandurra – Pequeno Cidadão
26/5 – Programação Externa
Local: Frente do Theatro Municipal
Horário: 17h

Sexta-feira, 27/5
Rodas de Leitura
27/5 – Programação Externa
Local: Palquinho – Praça das Artes
Horário: 9h30 às 11h
O Rodas de Leitura é um coletivo que propõe uma ação cultural, ocupando, de maneira criativa, o espaço público por meio da mediação de leitura, despertando o prazer pelo ato de ler, em ambientes não convencionais, usando a bicicleta como meio de transporte. Com isso, busca difundir e fomentar a reflexão sobre a formação do leitor, a mobilidade urbana, cicloativismo e o direito à cidade.

Teatro de Fantoches – Pé no Pedal, Lixo no lixo
27/5 – Programação Externa
Local: Praça das Artes
Horário: 14h às 15h30
É realizado por um casal que rodou de bicicleta o litoral brasileiro ensinando sustentabilidade para crianças e despertando para a consciência ambiental por meio do teatro de bonecos.

“Histórias Inclusivas” contação de histórias com Willian Gama
27/5 – Programação Externa
Local: Palquinho – Teatro das Artes
Horário: 14h às 14h30
Willian Gama é contador de histórias. De maneira poética explora os temas de inclusão, acessibilidade, educação, diversidade de gênero e cultura popular brasileira.

Teatro – Farrapo – o Palhacista
27/5 – Programação Externa
Local: Theatro Municipal – Frente
Horário: 16h às 16h30
Farrapo O Palhaciclista, é um espetáculo de improvisação que utiliza o palhaço e a bicicleta como dramaturgia. O Palhaciclista preza por um trabalho sustentável e democrático, refletindo sobre mobilidade, fazendo uso da bicicleta como meio de transporte para se deslocar até o local de apresentação. É também uma intervenção urbana, com interação com as pessoas nas ruas e praças por onde passa. “A palhacicleta” transporta todo material necessário para realização dos números circenses. Estreou em 2014 e participou do “Pedala Ribeira” promovido pelo Aromeiazero e do Encontro de arte do teatro de rua Teatro a Céu Aberto, ambos em dezembro de 2015.

Sábado, 28/5
A ciclista (in)domada – Intervenção Itinerante
28/5 – Programação Externa
Local: Palquinho – Praça das Artes
Horário: 9h30 às 11h

Pedala Rabisco e as Máquinas Revolucionárias
28/5 – Programação Externa
Local: Palquinho – Praça das Artes
Horário: 14h às 15h30
Idealizado pela artista paulista Natalia Lemos, o Projeto Rabisco é um espaço criativo de experiências artísticas e sinestésicas, no qual nascem livros, animações, bonecos e objetos interativos. O “Pedala Rabisco e as Máquinas Revolucionáras” é uma grande caixa de madeira acoplada a um triciclo que leva pela cidade objetos mecânicos. E estes disparam diferentes propostas de interação por meio de movimentos sensoriais e lúdicos que possibilitam a desaceleração e desautomatização das pessoas. Existem máquinas de acumular dor, de observar o mundo com diferentes filtros de cor, de guardar uma recordação em um bolso do lado esquerdo do peito, e até de soltar um desejo no universo.

Teatro de Fantoches – Pé no Pedal, Lixo no lixo
28/5 – Programação Externa
Local: Espaço Bicicletinha – Praça das Artes
Horário: 9h30 às 11h
É realizado por um casal que rodou de bicicleta o litoral brasileiro ensinando sustentabilidade para crianças e despertando para a consciência ambiental por meio do teatro de bonecos.

Ciclopoesia – Roda de Poesia e Brincadeira
28/5 – Programação Externa
Local: Espaço Ciclolab – Praça das Artes
Horário: 14h às 15h30

Ciclistas Bonequeiros
28/5 – Programação Externa
Local: Espaço Bicicletinha – Praça das Artes
Horário: 14h às 15h30
Ciclistas bonequeiros é um grupo que atua pelas ruas de São Paulo desde 2011, com a pesquisa da técnica de Teatro Lambe-lambe (teatro de miniatura). Unindo a consciência Urbana, o meio ambiente e o teatro de bonecos.
“Ciclistas Bonequeiros” é uma ação feita para acontecer com bonecos e sob bicicletas em miniteatros. A inspiração veio da técnica dos fotógrafos de “Lambe-lambe”, onde assim como em nossas apresentações, uma pessoa por vez assiste. O projeto é a junção de arte, consciência urbana e meio ambiente, artistas/ciclistas sob um meio de transporte alternativo e sustentável, a bicicleta, oferecerão arte, através de performances com manipulação de objetos e bonecos. A apresentação segue a trilogia: Uma Saga Macunaímica, inspirada no Livro Macunaíma, de Mário de Andrade.

Oficina Desenhar uma Bici
28/5 – Programação Externa
Local: Espaço Bicicletinha – Praça das Artes
Horário: 15h30 às 17h

Escolinha de Bike Itaú
28/5 – Programação Externa
Local: Theatro Municipal – Esquina
Horário: 9h às 17h
Essa é a mais nova inciativa do Itaú em mobilidade urbana nas cidades. A novidade é que agora as crianças também poderão pedalar nas famosas ‘laranjinhas’. O projeto que tem como foco crianças de 2 a 7 anos de idade, tem o objetivo ensinar aos pequenos como andar de bike em centros urbanos de forma segura, colocá-los em contato com a rotina do trânsito e suas regras e lidar de forma harmoniosa com a questão da mobilidade urbana para auxiliá-los no desenvolvimento do papel de cidadão.

Teatro – Farrapo – o Palhacista
28/5 – Programação Externa
Local: Theatro Municipal – Esquina
Horário: 17h às 17h30
Farrapo O Palhaciclista, é um espetáculo de improvisação que utiliza o palhaço e a bicicleta como dramaturgia. O Palhaciclista preza por um trabalho sustentável e democrático, refletindo sobre mobilidade, fazendo uso da bicicleta como meio de transporte para se deslocar até o local de apresentação. É também uma intervenção urbana, com interação com as pessoas nas ruas e praças por onde passa. “A palhacicleta” transporta todo material necessário para realização dos números circenses. Estreou em 2014 e participou do “Pedala Ribeira” promovido pelo Aromeiazero e do Encontro de arte do teatro de rua Teatro a Céu Aberto, ambos em dezembro de 2015.

Domingo – 29/5
Rodas de Leitura
29/5 – Programação Externa
Local: Palquinho – Praça das Artes
Horário: 11h30 às 13h
O Rodas de Leitura é um coletivo que propõe uma ação cultural, ocupando, de maneira criativa, o espaço público por meio da mediação de leitura, despertando o prazer pelo ato de ler, em ambientes não convencionais, usando a bicicleta como meio de transporte. Com isso, busca difundir e fomentar a reflexão sobre a formação do leitor, a mobilidade urbana, cicloativismo e o direito à cidade.

terça-feira, 24 de maio de 2016

Semana Mundial do Brincar: Devemos à criança a liberdade para agir



Estamos participando da Semana Mundial do Brincar (SMB), promovida pela Aliança pela Infância com o objetivo de difundir a importância do brincar. Realizado desde 2009, o evento é uma extensão do Dia Mundial do Brincar, celebrado em 28 de maio.

Neste ano, a SMB conta com a parceria institucional da organização Terre des Hommes e o apoio oficial de OMO, em seu movimento #LivreParaDescobrir. 

Para mim, confesso, o brincar ganhou um olhar novo e precioso depois que fiz parte da divulgação no Brasil da iniciativa “Se Sujar Faz Bem”, uma causa promovida por OMO e que me ensinou uma novidade: os pais não devem criar brincadeiras, orientar as atividades nem monitorar nada. Devem deixar que a brincadeira seja livre e desestruturada. Ou seja, devemos à criança a liberdade para brincar, coisa que tem se perdido nas ultimas décadas. 

A Aliança pela infância é um movimento pelo respeito à essência da criança e ao tempo da infância.




Gosto da defesa da campanha: 

As crianças precisam de brincadeiras que lhes permitam explorar e experimentar em abundância, sair e se sujar, porque são essenciais para que descubram, aprendam e se desenvolvam de forma saudável. Em parceria com pais, educadores e especialistas em desenvolvimento infantil, estamos investigando as melhores maneiras de estimular as crianças a brincar, explorar e se sujar todos os dias, para que possam descobrir, aprender e se desenvolver em todo o seu potencial.
E tem fundamentação, além da parte comercial da marca?
No Brasil, por meio do movimento #LivreParaDescobrir, a plataforma www.SeSujarFazBem.com.br tem a consultoria de Priscila Cruz e Vital Didonet, além das parcerias com Slow Kids e Aliança Pela Infância, na Semana Mundial do Brincar.

Como a Aline contou no seu post, além das atividades lúdicas, durante a SMB também são realizadas rodas de conversas, palestras e mobilizações para fomentar reflexões sobre o brincar na infância. Várias organizações já se engajaram na SMB 2016 e promoverão atividades. O SESC, por exemplo, terá uma programação especial em todo estado de São Paulo.

No site da Aliança pela Infância é possível conferir alguns destaques de programação. Em 2015, cerca de 200 mil pessoas participaram da SMB em todas as regiões do Brasil. Foram realizadas atividades em 178 municípios de 23 Estados brasileiros.  A organização atua para inspirar e oferecer experiências, por meio de produção e disseminação de conhecimentos, compartilhamento de saberes e por vivências significativas que valorizem o ABCD da Infância – aprender, brincar, comer e dormir – como base de uma vida plena e cheia de encantamento. Para isso, atua em rede, com seus núcleos, com pessoas e com a sociedade civil organizada.

Na Semana Mundial do Brincar, seu papel é articular parcerias, pautar as discussões e atividades e dar estímulos conceituais e de conteúdo para que organizações, gestão pública e pessoas possam desenvolver atividades de brincar em todo o Brasil nesse período, de modo que estas se tornem também mais frequentes ao longo do ano.

Curta a página da Aliança pela Infância no Facebook e acompanhe as novidades sobre a SMB 2016: www.facebook.com/aliancapelainfancia.

Sobre a

domingo, 22 de maio de 2016

Brincar pode ser simples e muito divertido – Semana Mundial do Brincar


Eu sempre acreditei na importância da brincadeira. Acredito na brincadeira como aprendizado, na brincadeira para reforçar relacionamento com filhos, na brincadeira entre crianças como oportunidade de desenvolver Inteligência emocional, mas também acredito na simples brincadeira. No brincar livre e como este traz alegria para nossa vida.

Estamos na Semana Mundial do Brincar. O tema deste ano é O Brincar que Encanta o Lugar. Concordo e acrescento, o brincar encanta nossas vidas.

Brincar livremente é simples, basta dispor de tempo e, para nós adultos, se libertar um pouco.
Aqui, durante um tempo, a ida para natação era estressante, apressada. Decidi mudar isto. Me organizei para sairmos mais cedo, com mais calma. Passou a ser um dos momentos mais legais do dia. Nos quatro quarteirões que percorríamos juntos, surgiram algumas brincadeiras. Vou descrever aqui para mostrar como para brincar não precisamos de nada além de tempo e vontade.

- Andar com os pés juntos. Bem comum eu e filho caminharmos fingindo que estamos com os pés amarrados um no outro. Vamos acelerando, erramos e gargalhamos o caminho todo. Simples e divertido.



- Galhos de plantas caídos no caminho viravam espadas, material para desenhar na areia, aviões, varinhas mágicas. Varinha mágica me transformava em galinha, macaco, elefante...íamos caminhando na rua fazendo "mágica" e transformações.

- Corrida do Bom Dia
Esta brincadeira surgiu num dia que estávamos com o horário apertado. Num momento iluminado criei a brincadeira que depois ganhou este nome.

Um dia filhão não queria nem caminhar, estava com preguiça e eu não queria tornar aquilo um momento estressante. Uma senhora caminhava em nossa direção e eu o desafiei a dar bom dia a ela antes de mim. Virou corrida né! Ele correu e deu bom dia, ela retribuiu com um super sorriso. Mais a frente um senhor com bicicleta prado, conversando. Desafiei a correr e dar bom dia primeiro para bicicleta. Ele correu e deu bom dia para o senhor. Eu dei para ele e para bicicleta e fiz piada que eu tinha ganho, por ser para bicicleta. Assim surgiu nossa brincadeira.


Além de deixar a mãe em forma (porque passei a ir correndo para natação), via transformar muitos rostos cabisbaixos em sorrisos iluminados. Quem não gosta de um bom dia alegre vindo de uma criança? Neste caso o brincar realmente encantou o lugar.

Para brincar basta querer. Bora brincar?

quinta-feira, 19 de maio de 2016

De 22 a 28 de maio a Semana Mundial do Brincar reunirá diversas atividades gratuitas para todas as idades






A programação da Semana Mundial do Brincar não para de crescer. Depois da aderência de espaços culturais e educativos, chegou a vez de organizações de bairro, coletivos e organizações sociais divulgarem suas agendas.


A Semana acontece de 22 a 28 de maio.  A programação inclui brincadeiras, palestras, debates e mobilizações.  Promovida pela Aliança pela Infância, a SMB busca sensibilizar a sociedade sobre a importância do brincar e este ano tem como tema “O Brincar que Encanta o Lugar”. Outros destaques da programação estão disponíveis no site da Aliança pela Infância: www.aliancapelainfancia.org.br/smb.

DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO

Slowkids
O evento, iniciativa da Respire Cultura com o apoio do Instituto Alana, também fará parte da Semana Mundial do Brincar, no dia 29, das 9h às 16h, no Parque Villa Lobos, zona oeste de São Paulo. A programação está disponível aqui.
29 de maio | Parque Villa Lobos | das 9h às 16h | slowkids.com.br  

6º Sábado Brincante - Guarapiranga
Organizado pela escola Luz e Lápis, o evento pretende reunir pessoas de idades e culturas diferentes para celebrar o valor do brincar. Entre as atividades estão previstas apresentações culturais, rodas de músicas e estações de brincadeiras.
21 de maio | Parque da Barragem da Guarapiranga | das 9h às 13h | luzelapis.com.br 

Oficina de identificação de plantas - Largo da Batata
Voluntários do grupo “A batata precisa de você”, atuantes no espaço público da região oeste de São Paulo, promovem uma atividade voltada para crianças e adultos. A ideia é fazer um passeio pelos jardins reconhecendo plantas e árvores nativas e criar placas de identificação das espécies para fixar nos terrenos. 
25 de maio | Largo da Batata, Pinheiros | Concentração: 16h; início da oficina: 17h. 

Programação Sesc SP
Todas as unidades do Sesc São Paulo estão engajadas na Semana Mundial do Brincar 2016. A programação conta com atividades que vão de oficinas e seções abertas de cinema e contações de histórias e brincadeiras de vários países. A lista completa de atividades está disponível aqui. 
22 a 28 de maio | Todas as unidades do SESC SP | Programação completa: http://bit.ly/1Nxhm3A 

Instituto OMP - Brincadeiras e plantio de árvores 
O Instituto Olinto Marques de Paulo (OMP), parceiro da Aliança pela Infância, promove uma manhã de brincadeiras e plantio de árvores na zona sul da capital paulista. 
21 de maio | 9h às 12h | Praça Alexander N. Aksakof, bairro Campo Grande | http://bit.ly/1WDaAMj 

Sobre a Semana Mundial do Brincar (SMB) - A Semana Mundial do Brincar (SMB), promovida pela Aliança pela Infância conta com o engajamento de seus 32 núcleos brasileiros com o objetivo de difundir a importância do brincar. Realizado desde 2009, o evento é uma extensão do Dia Mundial do Brincar, celebrado em 28 de maio. Neste ano, a SMB conta com a parceria institucional da organização Terre des Hommes e o apoio oficial de OMO, em seu movimento #LivreParaDescobrir. 
Além das atividades lúdicas, durante a SMB também são realizadas rodas de conversas, palestras e mobilizações para fomentar reflexões sobre o brincar na infância. Várias organizações já se engajaram na SMB 2016 e promoverão atividades. O SESC terá uma programação especial em todo estado de São Paulo. 

No site da Aliança pela Infância (www.aliancapelainfancia.org.br) é possível conferir alguns destaques de programação. Em 2015, cerca de 200 mil pessoas participaram da SMB em todas as regiões do Brasil. Foram realizadas atividades em 178 municípios de 23 Estados brasileiros.

Oficinas de musicalização para pequenos


A Casa do Brincar, espaço dedicado a crianças de 6 meses a 6 anos, promove, durante a semana, oficinas de musicalização para os pequenos. As atividades desenvolve naturalmente e de forma divertida as potencialidade dos bebês, como, por exemplo, a comunicação e a fala, a percepção auditiva e os movimentos corporais. Os estímulos são por meio do canto, da dança e da exploração de instrumentos musicais, movimentos e sons variados, num processo de despertar para um rico mundo sonoro. 
As oficinas contam com um material especialmente selecionado para a faixa etária dos bebês e canções variadas - folclóricas, de roda ou criadas didaticamente - tudo com o objetivo de aflorar a curiosidade pela música na interação com adultos e também com as outras crianças.

Programação:

Terças-feiras
Das 10h30 às 11h15 - Música, com Kaique Falabella
Das 14h às 14h30 - Música para bebês de 6 a 18 meses, com Andrea Schkolnick
Das 15h às 15h30 - Brincadeiras Sonoras, com Andrea Schkolnick

Quartas-feiras
Das 10h30 às 11h30 e das 15h30 às 16h30 - Música, com Fábio Felisbino

Quintas-feiras
Das 11h às 12h e das 15h às 16h - Musicalização, com Shauan Bencks

Sextas-feiras
Das 16h30 às 17h15 - Brincadeiras e Ritmos Tradicionais, com o Pança

Sobre a Casa do Brincar: A Casa do Brincar incentiva as brincadeiras ao ar livre e, também, a interação de pais e filhos, pois é por meio dessas brincadeiras que cada criança entra em contato com valores e práticas relevantes para a sua formação, desenvolvendo habilidades sociais e motoras. De acordo com especialistas, brincar na infância é preciso, ajuda a criança a experimentar papéis e aprender no mundo a partir do faz de conta.

Casa do Brincar: 
Rua Ferreira de Araújo, 388 – Pinheiros – São Paulo – SP.
Telefone: (11) 3032-2323. (por @samegui, mãe de Enzo #aos15 Giorgio #aos13 e Manu #aos3)  #maecomfilhos

sexta-feira, 13 de maio de 2016

A minha mãe é a minha filha



Escritor português, Valter Hugo Mãe fala sobre sua própria vida, enquanto o filho que não casou e que, por isso, precisa cuidar dos pais. Ao longo do passeio pelo cotidiano do escritor e do amor que sente por sua mãe, ele reflete sobre diversos tipos de amor, os medos que o sentimento cria e como eles proporcionam cuidados com pequenos detalhes da vida. Leia abaixo:

A minha mãe é a minha filha. Preciso de lhe dizer que chega de bolo de chocolate, chega de café ou de andar à pressa. Vai engordar, vai ficar eléctrica, vai começar a doer-lhe a perna esquerda.
Cuido dos seus mimos. Gosto de lhe oferecer uma carteira nova e presto muita atenção aos lenços bonitos que ela deita ao pescoço e lhe dão um ar floral, vivo, uma espécie de elemento líquido que lhe refresca a idade. Escolho apenas cores claras, vivas. Zango-me com as moças das lojas que discursam acerca do adequado para a idade. Recuso essas convenções que enlutam os mais velhos. A minha mãe, que é a minha filha, fica bem de branco, vermelho, gosto de a ver de amarelo-torrado, um azul de céu ou verde. Algumas lojas conhecem-me. Mostram-me as novidades. Encontro pessoas que sentem uma alegria bonita em me ajudar. Aniversários ou Natal, a Primavera ou só um fim-de-semana fora, servem para que me lembre de trazer um presente. Pais e filhos são perfeitos para presentes. Eu daria todos os melhores presentes à minha mãe.
Rabujo igual aos que amam. Quando amamos, temos urgência em proteger, por isso somos mais do que sinaleiros, apontando, assobiando, mais do que árbitros, fiscalizando para que tudo seja certo, seguro. E rabujamos porque as pessoas amadas erram, têm caprichos, gostam de si com desconfiança, como creio que é normal gostarmos todos de nós mesmos. Aos pais e aos filhos tendemos a amar incondicionalmente mas com medo. Um amigo dizia que entendeu o pânico depois de nascer o seu primeiro filho. Temia pelo azedo do leite, pelas correntes de ar, pelo carreiro das formigas, temia muito que houvesse um órgão interno, discreto, que disfuncionasse e fizesse o seu filho apagar. Quem ama pensa em todos os perigos e desconta o tempo com martelo pesado. Os que amam sem esta factura não amam ainda. Passeiam nos afectos. É outra coisa.
Ficar para tio parece obrigar-nos a uma inversão destes papéis a dada altura. Quase ouço as minhas irmãs dizerem: não casaste, agora tomas conta da mãe e mais destas coisas. Se a luz está paga, a água, refilar porque está tudo caro, há uma porta que fecha mal, estiveram uns homens esquisitos à porta, a senhora da mercearia não deu o troco certo, o cão ladra mais do que devia, era preciso irmos à aldeia ver assuntos e as pessoas. Quem não casa deixa de ter irmãos. Só tem patrões. Viramos uma central de atendimento ao público. Porque nos ligam para saber se está tudo bem, que é o mesmo que perguntar acerca da nossa competência e responsabilizar-nos mais ainda. Como se o amor tivesse agentes. Cupidos que, ao invés de flechas, usam telefones. E, depois, espantam-se: ah, eu pensei que isso já tinha passado, pensei que estava arranjado, naquele dia achei que a doutora já anunciara a cura, eu até fiz uma sopa, no mês passado até fomos de carro ao Porto, jantámos em modo fino e tudo.

Quando passamos a ser pais das nossas mães, tornamo-nos exigentes e cansamo-nos por tudo. Ao contrário de quem é pai de filhas, nós corremos absolutamente contra o tempo, o corpo, os preconceitos, as cores adequadas para a idade. Somos centrais telefónicas aflitas.
Queremos sempre que chegue a Primavera, o Verão, que haja sol e aqueçam os dias, para descermos à marginal a ver as pessoas que também se arrastam por cães pequenos. Só gostamos de quem tem cães pequenos. Odiamos bicharocos grotescos tratados como seres delicados. O nosso Crisóstomo, que é lingrinhas, corre sempre perigo com cães musculados que as pessoas insistem em garantir que não fazem mal a uma mosca. Deitam-nos as patas ao peito e atiram-nos ao chão, as filhas que são mães podem cair e partir os ossos da bacia. Porque temos bacias dentro do corpo. Somos todos estranhos. Passeamos estranhos com os cães na marginal e o que nos aproveita mesmo é o sol. A minha mãe adora sol. Melhora de tudo. Com os seus lenços como coisas líquidas e cristalinas ao pescoço, ela fica lindíssima. E isso compensa. Recompensa.
Comemos o sol. Somos, sem grande segredo, seres que comem o sol. Por isso, entre as angústias, sorrimos.
(Via Público)